Encontro básico decorreu no Centro Pastoral Pio XII e promoveu a iniciação de 10 casais no Movimento

O Movimento Encontro Matrimonial (EM) promoveu o Fim de Semana Original(FDS), que realiza anualmente na diocese de Angra, reunindo dez casais no Centro Pastoral Pio XII, em Ponta Delgada, entre os dias 12 e 14 de janeiro.

Tratou-se do 15º FDS do movimento na Diocese de Angra, o nono desde que o EM foi “reativado” em 2008, e que tem atualmente como coordenadora a equipa eclesial composta por um casal, Aida e Pedro Cabral e um sacerdote, Pe Nemésio Medeiros. Neste fim de semana integrou, ainda, a equipa o casal Silva, da Diocese de Setúbal. Participaram no encontro 10 novos casais e uma religiosa.

O esquema seguido foi o proposto pelo Movimento para estes encontros.

“Sendo o fim de semana original e portanto o primeiro de contacto com a filosofia do movimento, o tema está sempre centrado no auto conhecimento e no conhecimento do outro e a forma como esse conhecimento molda a relação e a relação do casal com os outros” disse ao Igreja Açores o Pe. Nemésio Medeiros.

O Fim de Semana Original, como é chamado, é o primeiro momento de contacto com este movimento de Encontro Matrimonial. Os casais que já fazem parte da comunidade lançam o convite a outros casais e o desafio é sempre o mesmo: “querem namorar um bocadinho, sem outro compromisso que não seja o de namorarem?”. E quando se diz qualquer casal é mesmo qualquer casal, independentemente de ter contraído matrimónio.

O Fim de Semana Original é uma experiência vivida por casais, sacerdotes e religiosos, que constitui uma oportunidade para “ajudar os casais a conhecerem-se melhor e a amarem-se mais”.

Decorreu entre as 19h00 de sexta feira, altura do acolhimento, e as 18h00 de domingo, hora em que terminou a Eucaristia.

“O FDS está orientado para que cada um se concentre no outro e o sacerdote e a religiosa ou religioso se concentre na sua comunidade”, diz o responsável.

As discussões/reflexões (14 no total) são sempre entre marido e mulher; sacerdote com sacerdote ou religioso com religioso, porque como diz a página oficial do movimento “o amor não se decreta, cultiva-se” e “esta é uma oportunidade para ganhar ferramentas para limar arestas no relacionamento”.

Após o FDS segue-se um mês de interregno e depois há uma nova reunião entre todos os casais participantes com as equipas de caminhada, e os que decidem entram nesse processo. Uma vez por mês, durante sete meses os vários grupos coordenados por equipas de caminhada (casais “sénior” que já fizeram formação especifica) reúnem-se para debater e refletir. Ao fim dessas sete etapas há casais que podem ser “enviados” para formação e atingem, por assim dizer, uma terceira etapa que é “Viver na Diferença”. Há depois as “Células Vivas”, casais integrados nas comunidades paroquiais e os Casais que, numa fase já “de grande maturidade de vida conjugal e dentro do movimento” que são convidados a fazer o conhecimento mais profundo e a escreverem temas. São estes casais que depois orientam o Fim de Semana Original, a partir dos testemunhos escritos.

“Há muito casais que fazem este Fim de Semana mas depois não têm disponibilidade para caminhar” refere o sacerdote frisando que atualmente existem 30 casais a caminhar em grupo, na ilha de São Miguel.

Na Diocese de Angra o Movimento EM só existe, de resto, em São Miguel, desde 1993, embora entre 1998 e 2008 tenha estado “adormecido”.

O EM está presente em 90 países e foi fundado em 1962. Está em Portugal há 32 anos. É um serviço da igreja católica mas está aberto, sem distinções, a casais de outras religiões e a não crentes.