Eucaristia solene na Catedral encerra celebrações dos 400 anos do martírio do padroeiro da diocese de Angra

A missão evangelizadora que levou o Beato João Baptista Machado até ao Japão,  onde ofereceu e deu a vida pelo Evangelho,  “deve ser inspiradora” para a missão evangelizadora nos nossos tempos “em que novos ídolos e poderes desafiam a missão do discípulo de Jesus Cristo”, disse esta tarde o bispo de Angra durante a homilia da missa solene que encerrou as celebrações diocesanas que assinalaram a passagem dos 400 anos do martírio do padroeiro da diocese de Angra.

“Ter audácia, coragem, serenidade e capacidade de diálogo exige uma personalidade cristã bem fundamentada e enraizada em Cristo de modo a responder evangelicamente aos desafios que são lançados aos cristãos” disse D. João Lavrador a propósito do mártir que soube defender a igreja e a sua fé nos diversos contextos históricos, sociais e culturais.

Segundo o prelado, “Qualquer que seja o sofrimento, iluminado pela páscoa de Jesus de Nazaré, encaminha-nos para a glorificação e para a experiência de encontro com Jesus Cristo que nos faz participantes da Sua Vida de Ressuscitado”.

D.João Lavrador lembrou mesmo que o exemplo de “entrega até ao martírio” deste terceirense deve ser um exemplo para todos os cristãos baptizados que buscam a santidade.

“Os percursos da santidade são pessoais e exigem uma verdadeira e própria pedagogia da santidade, capaz de se adaptar ao ritmo dos indivíduos; deverá integrar as riquezas da proposta lançada a todos com as formas tradicionais de ajuda pessoal e de grupo e as formas mais recentes oferecidas pelas associações e movimentos reconhecidos pela Igreja”, referiu o prelado lembrando que só esta entrega é aceitável.

“Toda a pessoa que marca o seu tempo pela pedagogia da santidade ultrapassa a sua época e é testemunha em todos os tempos” frisou apelando a que “nos deixemos tocar pela santidade do Beato João Baptista Machado e percorramos como ele os desafios que nos levam a viver em Cristo”.

Na homilia da missa, que assinalou igualmente a tomada de posse dos novos vigários episcopais, o bispo de Angra pediu que todos os cristãos “se despojem de si mesmos” e vivam “para Cristo e para os irmãos” pois “A missão evangelizadora dos baptizados comporta o sacrifício de si mesmo”.

Dirigindo-se aos novos vigários episcopais- 3 de zona e um para a formação- D. João Lavrador destacou a importância do seu ministério para o serviço pastoral e “o precioso contributo que darão na dinamização da nossa Igreja diocesana nos seus diversos sectores de actividade pastoral”.

“Agradeço a vossa disponibilidade e a vossa fidelidade à Igreja para seguirdes as determinações que orientam o vosso ministério de Vigários Episcopais e que estão presentes no decreto de nomeação”.

E concluiu: “A celebração de hoje torna-se para nós força para caminharmos nas sendas da evangelização do mundo actual”.