Festa coincide com inauguração da Casa Sacerdotal da paróquia da Matriz

Os sacerdotes ordenados no ano 2000 e que completam 15 anos de presbitério no próximo dia 25 de junho vão celebrar em conjunto a passagem deste aniversário, numa eucaristia às 12h30 para a qual convidam toda a comunidade.

Este grupo, composto por 10 sacerdotes, embora um tenha pedido dispensa do ministério, é composto por três irmãos – os Padres Adriano, José e Paulo Borges- e constituiu o grupo maior ordenado de uma só vez pelo Bispo de Angra, que na altura completava quatro anos à frente da diocese.

Esta cerimónia coincide também com a inauguração da Casa Sacerdotal da Matriz de Vila Franca do Campo, igreja onde paroqueia um dos irmãos Borges, o Pe José Borges que, como anfitrião, escreveu aos colegas uma carta a desafiá-los a “viverem juntos este momento de graça”.

Na missiva, o Pe Jose Borges lembra que “os sacerdotes do ano dois mil são padres novos, porque estão no vigor da vida, mas chamados à maturidade que a meia-idade lhes dita e ao mesmo tempo vivem na adolescência (15 anos) da vocação sacerdotal. De facto estão no seu melhor”.

Classificando estes 15 anos como “um misto de aventura e corresponsabilidade”- título da carta, o sacerdote justifica a iniciativa  que “acontece para dizer que o tempo não é fugaz e há coisas, pessoas e acontecimentos que são eternos”.

“É tão belo ver que o Senhor Jesus a uns fez poetas, a outros músicos, a outros amigos do saber, a outros amantes da Palavra, e a todos fez buscadores do bem, da verdade e da esperança, na senda da construção do seu Reino”, refere o Pe José Borges.

Sublinhando a amizade e fraternidade que os une, refere que “ não foi por acaso que a vida nos fez encontrar e Jesus ser o elo da nossa amizade fraterna” e por isso expressa um desejo:”Que esta festa seja um encontro cheio de luz e de paz”.

“A maioria de nós nunca mais esquecerá esse tempo da juventude, porque é nela e na adultez que se plasmam os ideais de beleza e se realizam as marcas profundas dos conflitos, dos afetos e das emoções. Levaremos a todo o lado esses momentos de alegria e marcarão a diferença apagando do dicionário da vida as palavras: medo, culpa e pecado” refere ainda o pároco da Matriz de Vila Franca do Campo.

Na carta enviada aos colegas, a que o Sítio Igreja Açores teve acesso, o sacerdote agradece a todos os que contribuiram para este processo formativo, “aos pais, irmãos, amigos, professores e ao senhor Bispo que tiveram a grande preocupação de transmitir sementes de luz, esperança e fé”.

Por outro lado, vinca o compromisso destes sacerdotes com as comunidades que serviram no passado ou servem atualmente,  “a onde são chamados a anunciar as possibilidades de Deus e não as suas incapacidades”. E termina, lembrando que “em todo o tempo desejam despertar consciências para um mundo melhor e aspiram viver à maneira de Jesus, renunciando ao comodismo, ampliaando os horizontes de conhecimento, dando sempre o seu melhor”.

Deste grupo fazem parte os padres :Adriano Manuel Torres Borges, natural da Ribeirinha da ilha de S. Miguel, ecónomo da diocese e vigário paroquial do Curato de São Carlos em Angra do Heroísmo; Teodoro Manuel Sousa Medeiros, natural dos Arrifes, professor no Seminário Episcopal de Angra e pároco da Feteira e Fonte do Bastardo, na ilha Terceira; José Alfredo Torres Borges, natural da Ribeirinha da ilha de S. Miguel e atualmente trabalha em Vila Franca do Campo; Marco Paulo de Bettencourt Gomes, natural da ilha de Santa Maria e atualmente pároco da Fajã de Cima; Marco Paulo de Matos Martinho, natural da ilha do Faial  e responsável pela paróquia de Santa Maria Madalena na ilha do Pico onde é também ouvidor eclesiástico; Norberto José Toste Brum, natural de Vila Franca do Campo ; pároco em Santa Clara, Ponta Delgada e diretor diocesano da pastoral juvenil; Paulo Jorge Monteiro da Cunha Areias, natural de Vila Real – Continente – e atualmente trabalha na Alemanha, com as Comunidades Emigrantes; Paulo Jorge Torres Borges, natural da Ribeirinha da ilha de S. Miguel e atualmente pároco na Fajã de Baixo, dirigindo o Serrviço Diocesano da Pastoral da saúde e Roberto Jorge Borges Cabral natural da Fazenda do Nordeste e pároco da  Conceição da Ribeira Grande.