Bispo de Angra comenta documento do papa Francisco Laudato Si A Encíclica do Papa Francisco sobre ecologia “é uma intervenção histórica assinalável que vai deixar marcas não só no seu pontificado mas também no mundo” disse esta manhã ao Sítio Igreja Açores o Bispo de Angra durante uma entrevista que poderá ver aqui no Sítio na próxima semana.

De acordo com D. António de Sousa Braga este documento que “não é uma surpresa” do ponto de vista da afirmação do Santo Padre que já no seu discurso inaugural tinha falado “ de uma terra cheia de potencialidades e de recursos para não haver pobres”, assume-se como “um ato de coragem”.

“Quando o Papa disse que a Terra tem recursos suficientes para não ter pobres e no entanto não os potencia, já estava a dar indicações sobre esta necessidade de a par de uma ecologia ambiental os políticos se preocuparem com uma dimensão humana”, disse o responsável máximo pela igreja católica no arquipélago dos Açores.

D. António de Sousa Braga entende, assim, que este documento tem uma “função pedagógica e orientadora” para a cimeira de Paris sobre o Clima que vai decorrer no final do ano.

“Espero que os políticos o levem a sério, pois só assim há um verdadeiro encontro entre o homem e a mãe natureza”, concluiu o prelado.

A Encíclica Laudato Si publicada na passada quinta feira alerta para os problemas do meio ambiente, para a diferença entre países ricos e pobres e para as necessidades do homem alterar os seus comportamentos para tornar a terra um espaço de paz e de partilha.