Retiro dos doentes do Movimento da Mensagem de Fátima terminou esta segunda feira

Um grupo de Idosos de São Miguel e da Terceira participaram na última semana no retiro dos doentes promovido pelo Movimento da Mensagem de Fátima e acabaram por ficar para a peregrinação internacional aniversária de agosto que reuniu milhares de peregrinos, muitos deles migrantes dos cinco continentes.

A peregrinação que coincide com o inicio da  Semana do Migrante, organizada pela Comissão Episcopal da Pastoral Social e da Mobilidade Humana, em parceria com a Obra católica Portuguesa das Migrações, assinalou a quarta aparição de Nossa Senhora.

O cardeal D. Arlindo Gomes Furtado, bispo de Santiago de Cabo Verde, que presidiu a esta peregrinação pediu hoje aos peregrinos e aos migrantes em Fátima que não tenham comportamentos de “azedume, irritação, cólera, insulto, maledicência e toda a espécie de maldade”

“Isto não deve acontecer com ninguém, nem com os outros, nem connosco. Nem mesmo quando outros se comportem assim connosco”, disse na sua homilia, citando São Paulo.

Na Missa Internacional, no recinto de oração do Santuário de Fátima, D. Arlindo Gomes Furtado explicou que os cristãos seguem “Cristo, que libertou dessas paixões negativas”.

“A presença do outro deve ser para um seguidor de Cristo um encontro em humanidade e uma oportunidade de testemunho de como é bom viver ao estilo de Jesus Cristo”, acrescentou D. Arlindo Gomes Furtado, para quem a “riqueza e a abrangência” das leituras deste domingo constituem “uma autêntica luz e um vigoroso conforto”.

“Sede bondosos e compassivos uns para com os outros e perdoai-vos mutuamente, como Deus também vos perdoou em Cristo. Sede imitadores de Deus como filhos muito amados. Caminhai na caridade, a exemplo de Cristo”,  exemplificou o cardeal cabo-verdiano, citando novamente o apóstolo Paulo.

Para o bispo da Diocese de Santiago, esta é que é “a conduta de um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo” sempre, seja na terra de origem ou na diáspora, “num ambiente acolhedor ou nem por isso”, e “consciente da própria dignidade”.

Depois de 2011, D. Arlindo Gomes Furtado está a presidir pela segunda vez à peregrinação internacional de 12 e 13 de agosto no Santuário de Fátima, que assinala a quarta Aparição de Nossa Senhora aos Pastorinhos, onde se insere a Peregrinação do Migrante e do Refugiado.

Também hoje no encerramento da peregrinação o cardeal D. António Marto salientou a importância do testemunho do santuário mariano, enquanto lugar para “viver a graça do encontro”, no meio de um “mundo dividido e separado”.

Na mensagem que deixou aos peregrinos, o bispo de Leiria-Fátima frisou que Fátima representa “a beleza do encontro, da diversidade de povos, famílias, culturas, raças e línguas na unidade da mesma fé e do mesmo amor”.

E desafiou todos os cristãos a continuarem a “viver e a levar para o meio do mundo” esta mesma proposta, “onde quer que estejam, onde quer que trabalhem”.

A peregrinação internacional de 12 e 13 de agosto ao Santuário de Fátima, que assinala a quarta aparição de Nossa Senhora na Cova da Iria, foi este ano presidida por D. Arlindo Furtado, bispo de Santiago, em Cabo Verde.

Um evento que teve em destaque a Peregrinação do Migrante e do Refugiado, inserida na 46.ª Semana Nacional das Migrações, este ano com o tema ‘Cada forasteiro é ocasião de encontro, Migrantes e Refugiados no caminho para Cristo’.

Depois de agradecer “a presença e a mensagem” do bispo cabo verdiano, que “ajudou a aprofundar, a interiorizar e a concretizar” as interpelações deixadas aos peregrinos, D. António Marto enviou “um grande abraço ao querido povo cabo-verdiano”.

“Um abraço tão grande como de Fátima a Cabo Verde”, sustentou.

A peregrinação internacional de 12 e 13 de agosto juntou milhares de pessoas na Cova da Iria, de vários países e continentes, e foi marcada por um forte apelo à resolução da crise migratória que tem marcado diversas regiões do mundo.

(Com Ecclesia)