Iniciativa surge na sequência de um pedido da proteção civil.

A Igreja de São Pedro de Angra, em Angra do Heroísmo, iniciou esta quinta feira um processo de inventariação do seu património móvel, apurou o Portal da Diocese junto do pároco, Pe Jacinto Bento.

 

“Estamos a fotografar todo o património de arte sacra da igreja e a registar todos os elementos relativos a imagens e seus adornos, quadros, pinturas e outros objectos que a integram para registarmos de acordo com critérios definidos e assim sabermos o que é prioritário salvar em caso de haver um incêndio ou outra catástrofe”, disse ao Portal da Diocese o sacerdote responsável por esta igreja.

 

De resto, das três igrejas que integram a zona classificada da cidade património, a de São Pedro “é a única que não tem este processo de inventário feito”, adianta o Pe Jacinto Bento.

 

Neste momento já foram recolhidos os dados relativos a todas as peças da Capela-Mor e da Assembleia e todos os dados coligidos irão ser trabalhados de acordo com as orientações da Comissão Diocesana dos Bens Culturais da Igreja.

 

Além do pároco fazem parte deste projeto alguns leigos com ligação à paróquia a saber: Rui Meireles, Aurélio Fonseca, Paula Romão, Marta Bretão, Belmira Espínola e João Pereira. Este grupo de trabalho voltará a reunir-se na próxima terça feira, dia 17 de junho.

 

A iniciativa, que surge na sequência de um pedido da Protecção Civil dos Açores que quer conhecer ao pormenor o que existe em cada conjunto arquitetónico da cidade Património, para garantir uma resposta mais adequada em caso de catástrofe, insere-se no âmbito do projeto europeu HERITPROT, no qual participam 9 países que estão interessados em recuperar e preservar o património móvel e imóvel dos seus centros históricos e do recente protocolo assinado entre a Diocese de Angra e  Governo Regional para a inventariação das igrejas dos Açores.

 

O objetivo geral do HERITPROT é melhorar, por intermédio da cooperação inter-regional, a prevenção contra o risco de incêndio nos centros históricos das cidades europeias declaradas Património Mundial, através do intercâmbio de boas práticas para enfrentar os problemas que são comuns a todas as cidades e incidir no desenvolvimento de políticas a nível local e regional no âmbito da prevenção de incêndios em centros urbanos antigos.

 

Trata-se de um projeto enquadrado no Programa INTERREG IVC, do Fundo de Desenvolvimento Regional Europeu, e abrange mais nove cidades europeias, que tal como Angra do Heroísmo estão classificadas como Património Mundial – La Laguna e Cuenca (Espanha; Sighisoara (Roménia); Riga (Letónia); Varsóvia (Polónia); Vilnius (Lituânia); Holloko (Hungria); Bergen (Noruega) e Liverpool (Reino Unido).