Por IA

O Papa encontrou-se este sábado em privado com o aiatola Ali Al-Sistani, líder supremo do ramo xiita do Islão no Iraque, na cidade de Najaf, numa reunião marcada por apelos ao respeito recíproco.

Francisco, refere uma nota da Santa Sé realçou a “importância da colaboração e amizade entre as comunidades religiosas para que, cultivando o respeito mútuo e diálogo, se possa contribuir para o bem do Iraque, da região e de toda a humanidade”.

O Vaticano destaca que durante o encontro, de cerca de 45 minutos, Francisco quis agradecer ao grande aiatola Al-Sistani e à comunidade xiita por se terem manifestado, “diante da violência e das grandes dificuldades dos últimos anos”, em defesa “dos mais fracos e perseguidos, afirmando a sacralidade da vida humana e a importância da unidade do povo iraquiano”.

Ao despedir-se do grande aiatola, o Papa “reiterou sua oração a Deus, Criador de tudo, por um futuro de paz e fraternidade para a querida terra iraquiana, para o Médio Oriente e para o mundo inteiro”, informa a Santa Sé.

O gabinete de Al-Sistani emitiu um comunicado, após o encontro, referindo que o grande aiatola defende “paz e segurança” para os cristãos no Iraque, “em pleno cumprimento dos seus direitos constitucionais”.

Al-Sistani evoca os nos incidentes dos últimos anos, “especialmente durante o período durante o qual terroristas tomaram vastas áreas em várias províncias iraquianas e ali praticaram atos criminosos”.

O comunicado realça que os dois responsáveis debateram sobre as situações de “injustiça, opressão, pobreza, perseguição religiosa e ideológica”.

O grande aiatola destacou “o papel que os grandes líderes religiosos e espirituais devem desempenhar na contenção dessas tragédias” e agradeceu ao Papa pelo seu “esforço” de viajar até Najaf.

Este é o terceiro lugar mais sagrado do mundo para o os muçulmanos xiitas, depois de Meca e Medina.

(Com Ecclesia e Lusa)