Bispo de Angra desafia a um caminho permanente de evangelização

As Orientações Diocesanas de Pastoral, que entrarão em vigor no primeiro domingo de outubro, na diocese de Angra, apontam para o inicio da construção de um caminho sinodal da igreja açoriana, alicerçado no Evangelho.

“A diocese de Angra, em todos os seus membros, está chamada a sintonizar com o único objectivo da Igreja que é deixar-se evangelizar” refere o texto do preâmbulo do documento que norteia a estratégia do próximo ano pastoral na diocese insular, lembrando que “todas as comunidades cristãs, paróquias, movimentos e grupos eclesiais, periodicamente deverão aprofundar o seu ser e a sua missão”.

D.João Lavrador, que escreve o preâmbulo destas Orientações recorda que se sente (na igreja açoriana) a “necessidade de dar um novo impulso na participação de todos os cristãos na vida e na missão da Igreja”.

“Reconhecemos que se exige uma formação renovada e adequada para capacitar todos os cristãos para o exercício de uma comunidade comum, agindo sobre o Evangelho e o discernimento pastoral” frisa.

“Comunidade evangelizada em comunhão missionária” é o titulo do documento, que define as linhas de ação que permitirão à comunidade diocesana adquirir “a frescura que o Evangelho oferece à vida da Igreja, a edifica na comunhão eclesial que tem o seu fundamento na Comunhão divina e que deve informar toda a vida e a missão dos discípulos de Jesus Cristo inseridos em comunidades cujos membros experimentam a unidade e promovem a coresponsabilidade e a participacão” refere o documento a que o Sítio Igreja Açores teve acesso esta quarta feira.

O bispo de Angra termina o preâmbulo do documento fazendo votos “Que o lema para este ano «comunidade evangelizada em comunhão missionária» oriente a caminhada da comunidade diocesana, através de cada um dos serviços diocesanos, paróquias, ouvidorias, movimentos e grupos e seja uma forte interpelação para a vivência da comunhão, da unidade e de cada cristão se reconhecer membro activo na missão da Igreja”.

“A missão faz parte integrante da identidade de cada cristão” sublinha lembrando que a evangelização é prerrogativa de qualquer batizado.

O documento, resulta da ponderação das decisões dos Conselhos Presbiteral e Pastoral diocesano, órgãos de consulta do prelado, e lembra que passado mais de meio século sobre o Concilio a Igreja “sente a necessidade de equacionar a vitalidade e a adequada resposta evangelizadora por parte de todos os cristãos” desta diocese.

“A Igreja reconhece que a sua missão é testemunhar o Evangelho de Jesus Cristo no meio do mundo” afirma o documento. Por isso, adianta, “Evangelizada a igreja é igualmente chamada a evangelizar” mantendo a fidelidade à palavra de Deus.

A igreja “é enviada a pregar não as suas próprias pessoas ou as suas ideias pessoais, mas sim um Evangelho do qual nem eles nem ela são senhores e proprietários absolutos, para dele disporem a seu belo prazer, mas de que são os ministros para o transmitir com a máxima fidelidade” refere o documento que cita abundantemente  os Papas Paulo VI, João Paulo II e Francisco.

O documento sublinha mesmo a atualidade, novidade e originalidade desta mensagem num mundo marcado pelo secularismo.

“Importa refletir empenhadamente, em toda a nossa Igreja diocesana, incluindo todos os batizados, sacerdotes, diáconos, religiosos(as), consagrados e leigos, sobre a responsabilidade comum de evangelizar o mundo de hoje” refere o documento na nota introdutória.

Por fim o documento refere nessa mesma nota “que a força, a criatividade e a frescura da evangelização nos vem do encontro com Jesus Cristo”.

As Orientações Diocesanas de Pastoral estão organizadas em sete `capítulos´: “Todo o Povo de Deus é chamado a Evangelizar”; “Povo de Deus que vive a comunhão”; “Povo de Deus que partilha a diversidade de carismas e ministérios”; “Povo de Deus na participação e corresponsabilidade”; “Povo de Deus em formação permanente”; “Povo de Deus inteiramente missionário” e o “chamamento à santidade”.

Depois de uma reflexão sobre cada um destes temas são feitas algumas propostas de ação que passam pela organização territorial das estruturas pastorais, como os conselhos pastorais e económicos nas paróquias e nas ouvidorias; a Escola de Formação Cristã da ouvidoria e os vários serviços e movimentos.

O documento apresenta ainda o calendário pastoral diocesano e termina com os comunicados dos vários organismos diocesanos, nomeadamente os comunicados do Conselho Presbiteral, Conselho Pastoral Diocesano, Congresso da Juventude e comunicado da Equipa de Formação.

Neste documento com as orientacoes diocesanas estão também os subsídios que vão animar as Escolas de Formação Cristã das ouvidorias destinados a Leigos.