Conselho Pastoral de Ouvidoria esteve reunido esta terça feira para fazer balanço do ano e perspetivar ação do novo ano pastoral

A antecipação da divulgação das orientações diocesanas de pastoral e uma maior celeridade nas reuniões dos conselhos pastorais paroquiais seria “um passo importante” para um trabalho “mais efetivo e programado” ao nível das ouvidorias, disse esta terça feira à noite o Ouvidor de Ponta Delgada na reunião do Conselho Pastoral de Ouvidoria que teve lugar no Centro Pastoral Pio XII.

“É muito bom termos orientações diocesanas de pastoral mas seria ainda melhor se as pudéssemos ter antes do inicio do verão, como fazem outras dioceses, de forma a que na abertura do novo pastoral todas as ouvidorias tivessem um conhecimento efetivo do que se vai fazer”, disse o Cónego José Medeiros Constância sublinhando que “há que reconhecer, no entanto, o esforço que tem vindo a ser feito nesse sentido e que regista significativas melhorias”.

O responsável pela ouvidoria de Ponta Delgada respondia a uma das criticas proferidas durante a reunião do Conselho Pastoral que apontava para “alguma falta de articulação e conhecimento prévio e atempado das orientações de pastoral”.

Nesta reunião de balanço e de planeamento de ações para o novo ano pastoral, centrado na família e na misericórdia, voltou a falar-se da catequese elegendo-a como uma prioridade quer nos que respeita à avaliação positiva do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido quer no que respeita aos desafios.

A catequese tem sido uma aposta da ouvidoria, mas os conselheiros apontam para a necessidade de “formação de catequistas”, “aposta na catequese de adultos” e uma maior atenção a fenómenos como o “absentismo e abandono” da catequese por parte dos mais novos.

“Há de facto uma carência de formação de catequistas e temos de fazer uma avaliação da própria catequese”, disse o Cónego José Medeiros Constância, lembrando que “a catequese de adultos tem que ser muito bem considerada por todos nós”. Aliás, a prioridade deveria “assentar na catequese de adultos”.

“Só com adultos bem formados podemos desenvolver um percurso catequético interessante para as nossas crianças e adolescentes, mas infelizmente temos feito ao contrário”, acrescenta o sacerdote que prometeu dar mais atenção a este “dossiê” no próximo ano pastoral pois se é um dos aspetos que revela “maior dinamismo” ao nível da ouvidoria também merece alguma “reflexão critica”.

A reunião do Conselho Pastoral da ouvidoria de Ponta Delgada foi muito participada, com a presença de responsáveis paroquiais e dos movimentos, e permitiu traçar uma radiografia do que foi este ano pastoral centrado em três linhas de ação: uma ação missionária da igreja de Ponta Delgada centrada nas diferentes periferias; a valorização da Vida Consagrada, através de ações dirigidas aos mais jovens e uma atenção especial à família, com a organização territorial da pastoral familiar, que foi reconhecido por todos como uma “aposta ganha” no trabalho deste ano pastoral.

Durante a reunião foi, ainda, sublinhada a ação social desenvolvida pelas paróquias e pelos movimentos através de gestos concretos como a criação de um fundo de solidariedade social na paróquia da Relva; a distribuição de refeições aos sem abrigo e famílias carenciadas de Ponta Delgada ou o apoio direto a famílias através da distribuição de cabazes de alimentos.