Francisco convida a aderir à campanha «Together we», para uma «conversão ecológica»

O Papa assinalou hoje, no Vaticano, os 70 anos da Cáritas Internacional, elogiando a usa ação junto dos pobres em todo o mundo.

“A Cáritas é, em todo o mundo, a mão amorosa da Igreja para os pobres e os mais vulneráveis, nos quais está presente Cristo”, disse Francisco.

Falando desde a janela do apartamento pontifício, após a recitação da oração do ângelus, o Papa convidou a Cáritas a prosseguir o seu serviço com “humildade e criatividade, para chegar aos mais marginalizados e favorecer o desenvolvimento integral como antídoto para a cultura do descarte e da indiferença”.

Francisco convidou todos a aderir à nova campanha da ‘Caritas Internationalis’, intitulada “Together we” (Juntos), fundada sobre a “força da comunidade” para defender a natureza e os povos.

“As feridas infligidas sobre a casa comum têm efeitos dramáticos sobre os últimos, mas as comunidades podem contribuir para a necessária conversão ecológica”, assinalou o Papa

A campanha vai ser lançada esta segunda-feira, em Roma, e inspira-se em duas encíclicas do Papa Francisco, ‘Laudato Si’ e ‘Fratelli Tutti’, visando ações que combatam a pobreza e protejam a natureza.

A iniciativa vai decorrer até dezembro de 2024.

A Confederação Internacional da Cáritas reúne 162 organizações em todo o mundo, incluindo Portugal.

Francisco disse que a ‘Caritas Internationalis’ deve prosseguir o trabalho de eliminar a burocracia da organização.

“Que os fundos não vão para a organização, mas para os pobres”, sustentou.

Em Portugal, a Cáritas está a assinalar 65 anos de presença, aniversário que é evocado hoje no programa ’70×7′, pelas 17h30, na RTP 2, com o mote “O amor que transforma”.

 

(Com Ecclesia)