O Papa vai presidir este domingo à festa da Divina Misericórdia, à Igreja do Espírito Santo em Sassia, junto ao Vaticano, com uma Missa para a qual foram convidados presos, enfermeiros e refugiados.

O Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé) informou hoje, em comunicado, que a celebração do II Domingo da Páscoa, pelas 10h30 (menos uma em Lisboa), vai decorrer com participação limitada a 80 pessoas, por causa da pandemia.

Os refugiados são pessoas oriundas do Médio Oriente e África; já os presos são homens e mulheres de cadeias romanas.

A Igreja do Espírito Santo em Sassia o é particularmente dedicada à promoção da espiritualidade de Santa Faustina Kowalska, que inspirou São João Paulo II a instituir esta celebração da Divina Misericórdia, no ano 2000.

A Missa vai ter transmissão televisiva e online, com interpretação em língua gestual, incluindo a recitação da oração mariana do Regina Caeli.

Esta quarta-feira, o Papa Francisco recordou, numa saudação aos ouvintes polacos, desde a biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano, a festa da Divina Misericórdia (II Domingo de Páscoa).

“A Liturgia parece traçar o caminho da misericórdia que, enquanto reconstrói a relação de cada um com Deus, suscita também entre os homens novas relações de fraterna solidariedade”, indicou.

“Dirijamo-nos confiantes a Cristo misericordioso e peçamos a graça do perdão e do amor operoso pelo próximo”, acrescentou Francisco.

(Com Ecclesia)