Francisco deslocou-se a santuário do norte do país para reforçar apelos à reconciliação

O Papa Francisco visitou hoje o Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Madhu, no norte do Sri Lanka, onde evocou os sofrimentos da guerra civil que atingiu o país entre 1983 e 2009.

“Hoje estão aqui famílias que sofreram imenso no longo conflito que dilacerou o coração do Sri Lanka. Muitas pessoas – tanto do norte como do sul – foram mortas na violência terrível e sangrenta destes anos”, recordou, durante a homilia que proferiu no local de culto, localizado na linha da frente dos combates.

Francisco é o terceiro pontífice a visitar o Sri Lanka (Paulo VI em 1970 e João Paulo II em 1995), mas foi o primeiro a sair da capital e deslocar-se para a área de maioria tâmil.

“Amados irmãos e irmãs, sinto-me feliz por estar convosco na casa de Maria. Rezemos uns pelos outros. Acima de tudo, peçamos que este santuário possa ser sempre uma casa de oração e um refúgio de paz”, apelou.

O Papa argentino aludiu ao “dia triste” em que a imagem de Maria, que remonta à chegada dos primeiros cristãos ao Sri Lanka, teve de ser retirada do santuário, por motivos de segurança.

“Hoje queremos agradecer a Nossa Senhora por esta presença. Depois de tanto ódio, tanta violência e tanta destruição, queremos agradecer-Lhe por continuar a trazer-nos Jesus, o único que tem o poder de curar as feridas abertas e restituir a paz aos corações destroçados”, declarou.

O Papa sustentou que o processo de reconciliação exige a consciência do mal de que cada um é capaz e de que pode ter sido “cúmplice”, para “experimentar um autêntico remorso e um verdadeiro arrependimento”.

“Por intercessão de Nossa Senhora de Madhu, que todos possam encontrar aqui inspiração e força para construir um futuro de reconciliação, justiça e paz para os filhos desta amada terra”, rezou.

Durante a oração mariana foi proferida uma oração pela consolidação da paz no país, diante de representantes de famílias das etnias tâmil e cingalesa “particularmente provadas pelas hostilidades”, revelou o Vaticano.

“Queremos pedir a Maria, nossa Mãe, que acompanhe com as suas orações os esforços dos cidadãos do Sri Lanka de ambas as comunidades, tamil e cingalesa, por reconstruir a unidade perdida”, disse Francisco.

No final da visita, o Papa abençoou e colocou um rosário, como presente, na imagem de Nossa Senhora de Madhu, de que recebeu uma pequena réplica que manteve sempre ao colo.

Após este momento de oração, o pontífice argentino vai regressar à Nunciatura Apostólica (representação apostólica da Santa Sé), em Colombo, onde se encontra hospedado desde a sua chegada, esta terça-feira.

Francisco vai deixar o Sri Lanka na quinta-feira (03h30 em Lisboa), depois de rezar na capela de Nossa Senhora de Lanka, padroeira da nação asiática, e visitar o instituto Bento XVI, criado após a guerra civil para fomentar o diálogo inter-religioso.

CR/Lusa/Ecclesia