Francisco condena «crueldade» do ataque que matou 12 pessoas

O Papa Francisco recordou hoje no Vaticano as vítimas do ataque desta quarta-feira contra o semanário francês ‘Charlie Hebdo’ que matou 12 pessoas e deixou vários feridos, entre polícias e jornalistas.

“O atentado de ontem em Paris faz-nos pensar em tanta crueldade, crueldade humana, em tanto terrorismo – seja o terrorismo isolado, seja o terrorismo de Estado. De quanta crueldade é capaz o homem”, lamentou, no início da homilia da Missa a que presidiu na capela da Casa de Santa Marta.

Francisco pediu aos participantes na celebração que rezassem pelas “muitas” vítimas “desta crueldade”,

“Peçamos também pelos cruéis, para que o Senhor mude os seus corações”, acrescentou.

Após ter condenado em comunicado a violência assassina “abominável” e “jamais justificável”, ainda na quarta-feira, o Papa enviou hoje um telegrama ao arcebispo de Paris, cardeal André Vingt-Trois, através do secretário de Estado do Vaticano.

A mensagem fala num “terrível atentado” e assegura as orações de Francisco pelas famílias enlutadas, associando-se “à tristeza de todos os franceses”.

“O Santo Padre condena mais uma vez a violência que gera tantos sofrimentos e pede a Deus que ofereça o dom da paz”, refere o cardeal Pietro Parolin.

O Papa concedeu hoje uma audiência privada ao arcebispo de Paris, no Vaticano, e lançou na rede social Twitter uma mensagem a pedir orações pela capital francesa (#PrayersForParis).

Um dos suspeitos da autoria do atentado foi detido depois de se entregar às autoridades, mas continuam em fuga os dois homens armados de cara tapada que gritaram ‘Allahu akbar’ (Deus é grande, em árabe) enquanto disparavam.

 

CR/Ecclesia