O Papa vai visitar Portugal de 2 a 6 de agosto deste ano, para presidir à JMJ Lisboa 2023, deslocando-se ainda ao Santuário de Fátima, anunciou hoje o Vaticano.

“Por ocasião da próxima Jornada Mundial da Juventude, acolhendo o convite das autoridades civis e eclesiais de Portugal, Sua Santidade Papa Francisco deslocar-se-á a Lisboa de 2 a 6 de agosto deste ano, realizando no dia 5 uma visita ao Santuário de Fátima”, assinala o diretor da sala de imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, em declaração enviada aos jornalistas.

A Fundação JMJ Lisboa 2023 refere, em nota enviada à Agência Ecclesia que “recebeu com muita alegria a notícia da oficialização, pela Santa Sé, da visita do Papa Francisco a Portugal”.

A chegada a Lisboa está prevista para o dia 2 de agosto e o seu regresso a Roma ocorrerá a dia 6 de agosto.

“Por vontade expressa do Papa Francisco, no programa oficial da visita constará ainda uma deslocação a Fátima, que decorrerá a 5 de agosto”, acrescenta o comunicado.

O Reitor do Santuário e o Bispo da Diocese de Leiria-Fátima já expressaram a sua “grande alegria” por ter de novo o Papa na Cova da Iria.

“Todos sabemos o quanto a mensagem de Fátima está ligada ao Papa e à oração pelo Papa. Por isso, poder acolhê-lo de novo, para rezar com ele e por ele é para nós motivo de grande contentamento e, por isso, é essa alegria que expressamos”, refere o responsável pelo Santuário.

“Esperamos que todos os peregrinos que aqui estarão para o acolher também vivam aqui essa grande alegria de estar de novo com o Papa”, diz o padre Carlos Cabecinhas.

A organização da JMJ Lisboa 2023 sublinha, por outro lado, que “a visita de cinco dias do Papa Francisco a Portugal constitui a mais longa estada alguma vez realizada por um Sumo Pontífice ao nosso País”.

Em maio de 2017, Francisco tornou-se o quarto Papa a visitar Portugal, depois de Paulo VI (13 de maio de 1967), João Paulo II (12-15 de maio de 1982; 10-13 de maio de 1991; 12-13 de maio de 2000) e Bento XVI (11-14 de maio de 2010); São João Paulo II cumpriu ainda uma escala técnica no Aeroporto de Lisboa (2 de março de 1983), a caminho da América Central.

No início de maio, o Papa dirigiu uma mensagem aos jovens participantes na JMJ Lisboa 2023, que vai decorrer de 1 a 6 de agosto, convidando-os ao diálogo com os mais velhos, para preparar o encontro mundial.

“Um segredo para que se preparem bem: é bom olhar para as raízes. Procurem encontrar-se com os idosos. Muitos de vocês têm avós, visitem-nos e perguntem-lhes: no teu tempo, havia Jornada Mundial da Juventude? Não, claro. E a ti, que te parece que eu tenho de fazer?”, refere Francisco, em vídeo divulgado pela organização portuguesa da JMJ.

O tema da JMJ Lisboa 2023 é ‘Maria levantou-se e partiu apressadamente’, uma passagem do Evangelho segundo São Lucas (Lc 1,39).

O encontro mundial, que Portugal recebe pela primeira vez, inclui na sua programação um conjunto de eventos culturais, religiosos e desportivos, protagonizados pelos peregrinos da JMJ no “Festival da Juventude”, espalhado por 80 espaços da cidade.

O Comité Organizador Local (COL) explica que o Festival da Juventude quer proporcionar aos peregrinos da JMJ 2023 e à cidade de Lisboa “uma experiência de alegria, juventude, universalidade e fé, mostrando que a Igreja Católica é uma igreja viva e jovem, capaz de usar as linguagens e formas de arte da atualidade sem comprometer a mensagem que pretende transmitir”.

O evento decorre por toda a cidade de Lisboa, em palcos e espaços exteriores, mas também em espaços interiores (auditórios, salas de cinema, teatros, museus, espaços de exposições, igrejas).

Outro ponto central da programação vai ser a “Cidade da Alegria”, no Jardim Vasco da Gama, em Belém, que acolhe a Feira Vocacional e o Parque do Perdão.

O espaço vai contar ainda com uma capela, para que os peregrinos possam parar e rezar.

Feira Vocacional é apresentada pelo COL como o “espaço onde os jovens peregrinos podem entrar em contacto com diversos movimentos, associações, comunidades, ordens religiosas e projetos de cariz social”.

A iniciativa estará aberta de terça-feira a sexta-feira (1 a 4 de agosto de 2023) das 09h00 às 20h00, incluindo ‘talks’ e testemunhos em dois coretos no centro da Feira Vocacional e ainda momentos de oração na capela e nos jardins.

Quanto ao Parque do Perdão, o COL propõe um espaço onde “os peregrinos podem fazer um encontro com o Cristo Misericordioso através do Sacramento da Reconciliação”, entre os dias 1 a 4 de agosto de 2023, das 10h00 às 18h00.

A construção dos 150 confessionários, onde estarão padres de diferentes nacionalidades, foi confiada a reclusos dos Estabelecimentos Prisionais de Coimbra, Paços de Ferreira e Porto.

As tradicionais catequeses – nas manhãs de quarta, quinta e sexta-feira -, dão lugar em Lisboa a um novo modelo de encontro entre os jovens e os bispos, o ‘Rise Up’, para que as novas gerações “possam falar daquilo que as preocupa”.

Os eventos centrais incluem a Missa de Abertura, a 1 de agosto, que vai ser presidida por D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa, no Parque Eduardo VII

Dois dias depois, o mesmo espaço recebe a celebração de acolhimento do Papa; ainda no Parque Eduardo VII, a 4 de agosto, vai ser celebrada a Via-Sacra, colocando os jovens a rezar com Francisco, acompanhados pelo coro e a orquestra da JMJ.

Já no Parque Tejo, entre os municípios de Lisboa e Loures, decorre a Vigília, a 5 de agosto.

Após pernoitarem no local, os peregrinos participam na Missa de Envio, presidida pelo Papa no domingo, dia 6 de agosto; antes de regressar ao Vaticano, Francisco encontra-se com os voluntários da JMJ.

Desde a sua eleição pontifícia, em 2013, Francisco visitou 60 países: Brasil, Jordânia, Israel, Palestina, Coreia do Sul, Turquia, Sri Lanka, Filipinas, Equador, Bolívia, Paraguai, Cuba, Estados Unidos da América, Quénia, Uganda, República Centro-Africana, México, Arménia, Polónia, Geórgia, Azerbaijão, Suécia, Egito, Portugal, Colômbia, Mianmar, Bangladesh, Chile, Perú, Bélgica, Irlanda, Lituânia, Estónia, Letónia, Panamá, Emirados Árabes Unidos, Marrocos, Bulgária, Macedónia do Norte, Roménia, Moçambique, Madagáscar, Maurícia, Tailândia, Japão, Iraque, Eslováquia, Chipre, Grécia (após ter estado anteriormente em Lesbos),  Malta, Canadá, Cazaquistão, Barém, República Democrática do Congo, Sudão do Sul e Hungria; Estrasburgo (França) – onde esteve no Parlamento Europeu e o Conselho da Europa -, Tirana (Albânia), Sarajevo (Bósnia-Herzegovina) e Genebra (Suíça).

(Com Ecclesia)