Este ano celebra-se pela 301 vez a promessa de evocação de Nossa Senhora dos Milagres

Os picoenses acabam de cumprir mais uma vez o “secular voto” a Nossa Senhora dos Milagres, na Ermida do Cachorro, freguesia e paróquia das Bandeiras, na ilha do Pico, informa uma nota enviada pela ouvidoria ao Sítio Igreja Açores.

Das igrejas paroquiais de Santa Luzia e Bandeiras sairam as peregrinações, precedidas pelas imagens de Cristo crucificado, pisando tapetes recheados de flores frescas e verdura, como que a pedir abundância para o ano inteiro.

“Cada um saiu das suas igrejas paroquiais, formando se uma massa com mais de uma centena de peregrinos em cada grupo. Depois de se encontrarem por volta das 11h00, seguiu se a solene concelebração, presidida e pregada pelo padre Luís Dutra, com a participação dos padres Marco Martinho, Júlio Rocha, João Serpa, Gaspar Pimentel” informa a nota.

Durante a Eucaristia cumpriram-se uma vez mais as promessas e arremataram-se as imensas ofertas de massa sovada que foram levadas a Nossa Senhora dos Milagres. Ao início da tarde regressam as peregrinações às referidas paroquias.

Esta festa repete-se todos os anos, a 2 de Fevereiro, desde 1718, altura em que esta zona da ilha foi abalada por uma erupção vulcânica, entre estas duas freguesias, que veio a formar o actual “Mistério de Santa Luzia”. Nessa data, o povo prometeu que “enquanto o mundo fosse mundo”, em cada 2 de Fevereiro, rumariam em acção de graças à Ermida de Nossa Senhora dos Milagres, que entre as duas povoações resistiu à fúria dos rios de lava que transbordaram até ao mar.