Cardeal-patrarica de Lisboa presidiu à abertura da «Porta da Misericórdia» na Sé de Lisboa

O cardeal-patriarca de Lisboa afirmou na celebração de abertura da Porta Santa na catedral diocesana que “a Porta é Alguém” e, em Ano Jubilar, constitui uma oportunidade para entrar nos “sentimentos de Deus”, que são de misericórdia.

“Temos de entrar pela porta e como sabemos, quer em termos religiosos e sobretudo bíblicos a porta é algo carregado de significado e é ‘Alguém’, porque Jesus diz ‘Eu sou a porta, quem entrar por mim ficará saciado’”, referiu D. Manuel Clemente à Agência ECCLESIA.

Para o cardeal-patriarca de Lisboa, entrar numa Porta Santa em tempo jubilar é entrar no “coração de Deus” e procurar o “sentimento de misericórdia para todos”

“A abertura da Porta Santa Porta, num tempo jubilar, é uma oportunidade para entrarmos decididamente por esta porta, que é Cristo, e nos sentimentos de Deus. Eles resumem-se à palavra misericórdia, o que significa ter o coração virado para os pobres, os frágeis e todo o tipo de pobreza que temos de atender, como Papa Francisco repete”, sublinhou.

D. Manuel Clemente disse que o Jubileu da Misericórdia vai ser assinalado no Patriarcado de Lisboa seguindo as “indicações de Roma”, nomeadamente pela proposta ao longo do ano de “vários exercícios de piedade e de motivação” e a “prática das obras de misericórdia, espirituais e corporais”

“Vai ser um tempo forte e certamente muito criativo”, indicou

O cardeal-patriarca de Lisboa estabeleceu 17 igrejas jubilares – uma por cada vigararia (conjunto de paróquias) da diocese – para o Jubileu Extraordinário da Misericórdia.

 

O Ano Santo Extraordinário da Misericórdia iniciou no dia 8 de dezembro com a abertura da Porta Santa pelo Papa Francisco, na Basílica de São Pedro, em Roma, e vai decorrer até ao dia 20 de novembro de 2016, dia em que se assinala a solenidade de Cristo Rei.

CR/Ecclesia