Igreja de Fátima, em Ponta Delgada, celebra mensagem de Nossa Senhora, rainha de Portugal.

A procissão de velas não se realizou na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Ponta Delgada devido ao mau tempo, mas na Eucaristia solene o porta voz da Diocese, Pe Marco Gomes, lembrou o exemplo de Maria e exortou os cristãos a seguirem o seu exemplo.

 

Convidado para pregar nos dois dias em que a paróquia de Nossa Senhora de Fátima assinala o seu primeiro aniversário, evocando as aparições de Nossa Senhora aos Pastorinhos, há 97 anos, Marco Gomes lembrou que Maria é o exemplo máximo de fé.

 

“Maria não tinha a certeza do que a esperava e quando diz sim ao anjo não tem todas as respostas nem certezas, não tem o conhecimento do amanhã, mas ainda assim confia”, disse o sacerdote, sublinhando que quem tem fé “arrisca porque sabe em quem confia”.

 

“A fé não é uma certeza é um risco; não é um conhecimento nem é uma posse, mas é uma aposta, uma confiança, que corre riscos sem desistir porque se sabe em quem se confia”, adiantou ainda o responsável diocesano pelo Serviço da Pastoral da Comunicação Social.

Marco Gomes evocou Maria como a mãe “protetora”, que transporta uma mensagem de “esperança”, “cheia de futuro”.

 

“Nós não somos órfãos nem estamos desamparados”, disse o sacerdote acentuando a ideia de que “se a cruz da nossa vida nos pesa e pode ser difícil, se as preocupações podem ser cinzentas, jesus responde dizendo que eu renovo e maria vem ao nosso encontro para nos levar a essa novidade”, conclui o responsável pela comunicação social da igreja nos Açores.

 

As celebrações de 12 e 13 de maio, que este ano estão integradas no âmbito das comemorações da Semana da Vida, começaram hoje com a realização de uma vigília mariana orientada pelas Equipas de Nossa Senhora e prosseguem amanhã com a celebração da Eucaristia para doentes da ilha de São Miguel, com a participação de várias Instituições Particulares de Solidariedade Social.

 

A habitual procissão de velas não se realizou devido às condições climatéricas adversas.

 

Entretanto a Imagem peregrina iniciou a sua peregrinação nacional que incluirá, também, uma visita aos Açores.

 

A primeira etapa da iniciativa, que se insere nas celebrações do centenário das aparições (2017), foi o Carmelo de São José, em Fátima, onde a imagem foi recebida por 16 das 18 religiosas carmelitas do convento.

 

O momento foi acompanhado pelo reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, e pela irmã Ângela Coelho, postuladora para a causa da canonização de Francisco e Jacinta Marto, acompanhados por uma pequena comitiva.

 

“A peregrinação é uma iniciativa do santuário que percebeu que, das muitas ações que desenvolve, poucas são aquelas que, depois, atingem as comunidades contemplativas, que são precisamente as pessoas que não podem vir ao santuário, que não se podem deslocar dada a sua forma de vida”, afirmou o padre Carlos Cabecinhas, em declarações divulgadas pelo Centro de Comunicação Social do Santuário de Fátima.

 

Para a madre superiora, irmã Margarida Maria do Menino Jesus, esta presença da imagem de Nossa Senhora de Fátima no Carmelo de Fátima é verdadeiramente “uma graça muito especial”, por se tratar de um “gesto exterior que significa um acolhimento interior.