Pe. Júlio Rocha é um dos quatro portugueses que integra o organismo que acaba de ser reconhecido juridicamente

A Associação Ibérica para o Estudo da Moral(ATIEM), com sede em Espanha, acaba de ser constituída e integra quatro sacerdotes portugueses, entre eles um açoriano.

O Pe. José Júlio Rocha, doutorado em Teologia Moral e Prefeito de Estudos do Seminário Episcopal de Angra é um dos sacerdotes portugueses, juntamente com os padres José Novais (Braga), Jorge Cunha (Porto) e Jerónimo Trigo (Lisboa), a estar na génese desta Associação que tem entre os seus objetivos “facilitar um clima de encontro e reflexão entre os estudiosos da Teologia Moral em Espanha e em Portugal” por forma a incentivar o diálogo e a promover “projectos de pesquisa” que “sirvam a igreja e a sociedade”, constituindo “uma plataforma” cristã, que facilite a participação em reuniões e fóruns de debate internacionais.

“Depois dos primeiros passos dados num ambiente fraterno e cordial, ainda há muito trabalho a fazer no fortalecimento da associação. Nos próximos meses, serão definidas linhas concretas de ação e projetos a serem desenvolvidos em conjunto para o futuro (conferências, congressos, publicações, projetos de pesquisa …)” refere uma nota da ATIEM a que o sítio Igreja Açores teve acesso.

A associação “está aberta a todos aqueles que, em Espanha e Portugal se dedicam à pesquisa e ao ensino de teologia moral, que desejam participar do projeto e que se sentem identificados com seus objetivos”, refere o texto que deixa ainda as coordenadas de contato para todas as questões que possam ser colocadas: secretariaatiem@gmail.com.

A ideia de criar esta associação nasceu no final da 59ª Conferência de Teologia da Universidade Pontifica de Salamanca, em Espanha, em outubro de 2017, por ocasião do 25º aniversário da encíclica Veritatis splendor de João Paulo II.

“Refletindo sobre as possibilidades do futuro da Teologia e dando continuidade ao trabalho realizado nos diferentes centros, a criação de uma associação que agrupa pessoas dedicadas ao estudo da Teologia Moral, a fim de unir esforços e diálogo sobre os diferentes problemas teológico-morais que se colocam atualmente” é uma forma de corresponder ao repto lançado pelo Papa Francisco de trabalhar em rede “e procurar sinergias para um melhor serviço à Igreja e à sociedade como um todo”, refere ainda a nota.