Festividades religiosas serão presididas pelo Vigário Geral da diocese, Cónego Hélder Fonseca Mendes

As tradicionais Cavalhadas de São Pedro que se realizam no dia 29 na Ribeira Seca, ouvidoria da Ribeira Grande voltam a animar as festas em honra deste santo popular .

A missa do dia, na Igreja de São Pedro da Ribeira Seca, será presidida pelo vigário geral da diocese, cónego Hélder Fonseca Mendes.

As populares festas iniciam-se no dia 26 de junho e terminam a 30, mobilizando várias atividades e eventos culturais na freguesia. No dia 30 realiza-se a procissão em honra de São Pedro, que incorporará as filarmónicas de Nossa Senhora das Vitórias, de Santa Bárbara; Santissimo Salvador do Mundo, da Ribeirinha; Voz do Progresso, da Ribeira Grande e Triunfo da Matriz também da cidade norte.

As cavalhadas, típicas desta ouvidoria da costa Norte de São Miguel, são uma tradição secular e um dos pontos altos das festas da cidade. A tradição iniciou-se no século XVI e consiste num desfile a cavalo que abre com o “rei” ladeado por dois lanceiros (vassalos), seguidos por duas alas com dezenas de cavaleiros, aparecendo no meio delas três corneteiros e com um fecho vigiado por outros dois lanceiros.

Os homens que montam a cavalo, devidamente trajados, cumprem uma promessa que, segundo os costumes, são um agradecimento pelo facto da igreja de São Pedro – localizada na freguesia de Ribeira Seca – e respetiva imagem do santo padroeiro, terem ficado intactas durante a erupção vulcânica ocorrida no Pico do Sapateiro.

Englobada na tradição estão as cavalhadas infantis (10.00 horas) que este ano vão juntar cerca de meia centena de crianças, trajadas a rigor, com trajes de cavaleiro e montadas em cavalos de madeira.

Realce ainda para as alâmpadas, longos cachos armados com flores (bordões de São José e hortências) e frutos temporãs (o milho, pepino, ameixa e ananás) que, ao que consta, derivam de uma forma de agradecimento pelo renascer da terra depois de estéril devido às crises vulcânicas.