A Igreja Católica em Portugal vai celebrar de 18 a 25 de abril a 58ª Semana de oração pelas Vocações, procurando dar nova centralidade a um tema “esquecido” nas comunidades católicas.

“A realização desta semana deve servir também para despertar a consciência de todos para a problemática da vocação, dado que, por vezes fica a impressão de que é um tema esquecido ou secundarizado”, escreve D. António Augusto Azevedo, presidente da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios (CEVM), na sua mensagem para esta celebração.

O bispo de Vila Real defende uma “verdadeira cultura vocacional” que ajude os cristãos, a começar pelos mais jovens, a “olhar a vida numa outra perspetiva, a da vocação”.

“A esta luz, as várias escolhas que se fazem na vida não se reduzem a meras escolhas pragmáticas, nem podem esquecer que tudo constitui uma vocação”, precisa.

A semana conclui-se na celebração do IV domingo da Páscoa, Domingo do Bom Pastor, sublinhando, segundo D. António Augusto Azevedo, “o valor e a especificidade da vocação consagrada e a sua importância para a missão da Igreja”.

“Olhamos com preocupação e com esperança a realidade atual em que é patente, por um lado, a carência de vocações consagradas mas em que, por outro, vão surgindo pequenos sinais de novidade”, aponta.

O presidente da CEVM convida a intensificar a oração pelas vocações consagradas, apresentando-as “com a sua especificidade e a sua riqueza próprias”.

Na Igreja Católica, a Vida Consagrada é constituída por homens e mulheres que se comprometeram, pública e oficialmente, a viver (individualmente ou em comunidade) os votos de pobreza, castidade e obediência para toda a vida; hoje inclui leigos, sacerdotes, religiosas e religiosos.

“Estamos certos de que o Senhor continua a chamar e sabemos também que esse chamamento é atraente e fascinante”, escreve o bispo de Vila Real.

O responsável destaca a importância de um processo de discernimento “bem acompanhado”, que possa levar a “decisões livres, corajosas e sempre sustentadas no amor e na fidelidade de Deus”.

A CEVM preparou um conjunto de propostas de oração e divulgação, disponíveis online, propondo que em cada dia da semana se reze por uma vocação específica: matrimónio, leigos consagrados, missionários, sacerdotes e vida religiosa (ativa e contemplativa).

A iniciativa vai contar com testemunhos, nas redes sociais, sobre as várias formas de viver a própria vocação, na Igreja Católica.

A diocese de Angra vai assinalar a Semana com várias iniciativas, entre as quais, uma Vigília de Oração, no dia 24 de abril, pelas 21h00, na Igreja da Misericórdia, em Angra do Heroísmo. Esta Vigília será transmitida online e pretende chegar a todos os diocesanos.

“Acolhamos todos os tipos de vocação eclesial, amemos os seus sonhos, cuidemos da nossa, e apoiemos aqueles que diariamente trabalham por elas” refere o reitor do Seminário Episcopal de Angra, padre Hélder Miranda Alexandre, que é o responsável diocesano pela Pastoral Vocacional e Ministérios.

A 19 de março, o Papa publicou a sua mensagem para o próximo Dia Mundial de Oração pelas Vocações, apresentando a figura de São José como modelo de paternidade e fidelidade a Deus.

“Deus vê o coração e, em São José, reconheceu um coração de pai, capaz de dar e gerar vida no dia a dia. É isto mesmo que as vocações tendem a fazer: gerar e regenerar vidas todos os dias”, assinala Francisco.

O 58.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações celebra-se a 25 de abril, quarto domingo de Páscoa, com o tema ‘São José: o sonho da vocação’, no ano especial que o Papa lhe decidiu dedicar, por ocasião do 150.º aniversário da sua declaração como padroeiro da Igreja universal.

Proposta de comunicação (descarregar aqui)