Por Guida e Eliseu Silva (PD28)

Já lá vão quinze anos, desde que tivemos a graça de ser convidadoa integrar uma equipa das ENS, mais precisamente a PD 28, que estava em constituição e a ser pilotada por um casal fantástico que marcou muito a nossa vida.

Passado esse tempo, podemos perguntar-nos se valeu a pena e a resposta é sim, valeu e continua a valer, porque encontrámos na nossa equipa uma verdadeira família.

É exigência do movimento, com os seus pontos concretos de esforço,  o estudo da Palavra de Deus e a oração, o que nos enriquece e nos fortalece, a fim de promover a entre ajuda  dentro e fora da nossa equipa, a transpor obstáculos, dificuldades e sofrimentos, e que por outro lado nos enchem de esperança e nos ajudam a viver a  espiritualidade conjugal com o carisma pretendido pelo fundador das ENS, Pe. Henri Caffarel, que disse: As equipas de Nossa Senhora têm uma vocação que é ajudar os casais a santificarem-se.

Cada  reunião representa para nós um encontro,  não só de casais equipistas  junto com o seu Conselheiro Espiritual mas, sobretudo, um encontro entre amigos que se juntam para se encontrar com Deus e descobrir a sua mensagem, sentindo concretamente o que Jesus disse : “ Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles “.

Refletindo nos quinze anos passados, questionamos :

Somos perfeitos? Somos santos? Somos um casal exemplar? Somos uns pais modelo?

Nem pensar, nada disso !

Mas uma coisa é certa, somos melhores e mais felizes por pertencermos às ENS.

Ao longo do tempo já assumimos algumas responsabilidades no movimento, como casal responsável de equipa, casal de ligação e casal responsável de setor, pois é nossa obrigação retribuirmos, dentro das nossas limitações, o muito que temos recebido.

Enfim, como diz o slogan publicitário: Podíamos viver sem as equipas? o poder podíamos, mas não seria a mesma coisa .