Povoação é a ouvidoria onde esta festa é celebrada com maior entusiasmo, coincidindo a solenidade religiosa com as festas do concelho e a presença dos símbolos da JMJ

A solenidade de Corpo de Deus volta a ser celebrada na Povoação esta quinta-feira, com o cortejo religioso na vila que, neste dia, fica com as ruas inundadas de tapetes de flores.

A Festa do Corpo de Deus é considerada a maior festividade religiosa do município da Povoação e é conhecida por toda a ilha de São Miguel e na diáspora A primeira procissão do Corpo de Deus realizou-se em 1905, na Povoação, por iniciativa do Padre Ernesto Jacinto Raposo.

As Festas do Corpo de Deus da Povoação são realizadas na Paróquia de Nossa Senhora Mãe de Deus, Freguesia de Povoação, sede do Concelho. Porém, são Festas que envolvem a participação de toda a Ouvidoria.
Nos anos anteriores à Pandemia as Paróquias da Ouvidoria da Povoação faziam -se representar na Procissão  do Santíssimo Sacramento com uma faixa onde indicava o nome da Paróquia e a respetiva cruz paroquial. Este ano, porém, haverá algumas alterações, uma vez que contarão  também com  a presença dos Símbolos das JMJ.
Na Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, haverá ao meio dia a Celebração da Missa com a primeira Comunhão das Crianças. Pelas 17h00 terá lugar a concelebração com a presença dos Padres da Ouvidoria e respetivas Paróquias. O coral será  também a “expressão da unidade da Ouvidoria”. A Missa  solene do dia, às 17h00, será presidida pelo  Administrador Diocesano que também irá presidir à Procissão e fará o tradicional Sermão da Varanda da Câmara Municipal. Após a Missa, segue -se a Procissão do Santíssimo Sacramento. A benção será dada a meio da Procissão , após o Sermão na Praça do Município. Na procissão integram-se, em vez das cruzes paroquiais, a Cruz das Jornadas e o Ícone de Nossa Senhora. Serão transportados pelos jovens e outras pessoas das seis Paróquias da Ouvidoria.
No dia 17, celebra-se o Feriado Municipal, e haverá  Missa ao meio dia na Matriz da Povoação e às 15h30 um momento de Oração no Jadim do Lar da Santa Casa – Via Lucis com Maria.
“Os tapetes, alusivos ao Mistério de Cristo, são um meio de evangelização, através da arte. É importante destacar que estas Festas são um voto da Câmara Municipal e que são organizadas em conjunto com a Paróquia de Nossa Senhora Mãe de Deus” refere em declarações ao Igreja Açores o padre João Ponte, pároco da Matriz da Povoação.
“Após dois anos de Pandemia em que as Festas foram celebradas, mas não nos moldes habituais, penso que as pessoas anseiam pela Festa para se poderem encontrar em clima festivo, em primeiro lugar. Julgo que a adesão e participação das pessoas será grande”, refere ainda o sacerdote sublinhando que se trata de “uma verdadeira Festa à Eucaristia que procuramos prolongar ao longo de todo o ano com a  celebração da Missa, mas também com a adoração Eucarística comunitária que se faz todas as quintas feiras do ano nesta Paróquia”.

A Solenidade do Corpo de Deus começou a ser celebrada no século XIII, em 1265, depois de ter sido instituída pelo Papa Urbano IV, em 1264.

Ponta Delgada e Angra apelam ao envolvimento de todos numa só celebração em cada ouvidoria

No arquipélago este dia é vivido em muitas paróquias com a celebração da Primeira comunhão das crianças da Catequese. Em Ponta Delgada, por exemplo, a festa concentra-se na Igreja Matriz para onde são convidados a convergir representantes de todas as paróquias da Ouvidoria. A Missa tem lugar às 18h00, seguida da procissão Eucarística.

“Reunirmo-nos todos à volta da Eucaristia como Ouvidoria no dia do Corpo de Deus, em Ponta Delgada, é um testemunho de fé e de alegre compromisso eucarístico” refere o ouvidor numa carta enviada a sacerdotes e aos mais de 200 Ministros Extraordinários da Comunhão que servem na ouvidoria.

Em Angra, a festa na catedral começa com a Eucaristia solene às 18h00, seguindo-se a procissão do Santíssimo Sacramento com o “giro habitual no centro da cidade de Angra do Heroísmo”, terminando como bênção do Santíssimo na Sé, informa uma nota enviada pela paróquia ao Igreja Açores.

“Estão convidados o Cabido da Catedral, os docentes do Seminário Episcopal, os párocos da cidade e do concelho de Angra, bem como reitores e capelães, os diáconos, os seminaristas, os religiosos consagrados e consagradas, os leitores e acólitos, os ministros extraordinários da comunhão, as confrarias do Santíssimo Sacramento e demais Confrarias, Ordens e Irmandades, as crianças que fazem nesse dia a sua primeira comunhão com os seus pais e mães, os Escuteiros e as filarmónicas da cidade de Angra do Heroísmo o povo de Deus em geral”, destaca a nota.

“A quinta-feira do Corpo de Deus é a expressão festiva da quinta feira Santa em que Jesus institui a Eucaristia e fica realmente presente no meio do seu Povo. Assim, depois de dois anos impedidos de fazer esta manifestação pública de fé, queremos manifestar a centralidade da Eucaristia, que celebramos a cada domingo, bem como a unidade eclesial das nossas comunidades cristãs, na cidade, na ouvidoria e na diocese”, refere ainda.

Corpo de Deus na Horta tem programa de três dias

Na Horta, o programa começa na segunda-feira, dia de Santo António, com um momento de Adoração seguido de Missa, com bênção e distribuição dos pães de Santo António, às 17h00 e 18h00, respetivamente, na Igreja Matriz.

No dia 14, o programa repete-se à mesma hora tal como no dia 15.

Às 20h30 assinala-se a comemoração do 1º aniversário do Museu de Arte Sacra da Horta, com o lançamento do livro “Subida a Jerusalém- Peregrinações e Diários” da autoria do cónego do Santo Sepulcro, padre Jacinto Bento. A apresentação da obra será feita pelo diretor do Museu, padre Marco Luciano Carvalho.. Segue-se um momento musical com a atuação da Tuna Filarmónica Unânime Praiense.

No dia 16, na Solenidade do Santíssimo Corpo de Sangue de Cristo, às 18h00 haverá Missa solene e procissão, que terminará com a Bênção no Largo Duque D´ Àvila e Bolama, com a participação do grupo da Pastoral Juvenil da ilha do Faial, bem como das Confrarias do Santíssimo e Irmandades e Ordens Terceiras.

Esta festa é celebrada 60 dias depois da Páscoa, na quinta-feira que se segue à Solenidade da Santíssima Trindade. A sua celebração pretende sublinhar o significado e a importância do sacramento da Eucaristia para a vida cristã.

Surgiu como resposta, por um lado às heresias que colocavam em causa a presença real de Cristo na Eucaristia e, por outro, ao movimento de devoção ao Santíssimo Sacramento que se tinha vindo a intensificar na prática dos fiéis.

A comunidade cristã é convocada para, como corpo, reafirmar a sua fé no mistério que se celebra no sacramento da Eucaristia.

Nas palavras de Bento XVI, na Exortação Apostólica pós-sinodal Sacramentum caritatis, o mistério eucarístico “é a doação que Jesus Cristo faz de si mesmo, revelando-nos o amor infinito de Deus por cada homem”.