Preparação do local, silêncio e manutenção dos gestos habituais são algumas das sugestões

A Igreja Católica começa a celebrar esta quinta-feira o Tríduo Pascal, 27 dias depois da suspensão comunitária das Missas, com dezenas de celebrações transmitidas online em contraponto aos bancos vazios.

D.João Lavrador, que vai presidir a todas as celebrações na Sé de Angra do Heroísmo, com transmissão em direto em vários órgãos de comunicação social e digital, incentivou os sacerdotes da diocese a transmitir as celebrações do Tríduo Pascal, com a ajuda das novas tecnologias.

“Nestes tempos conturbados e difíceis que estamos a viver e que apelam à serenidade, à responsabilidade e à comunhão, exorto-vos a redobrar de modo criativo a vossa forma de serdes pastores no meio do Povo de Deus que vos está confiado”, escreveu o prelado aos sacerdotes da diocese açoriana.

Na mensagem sobre as celebrações pascais, o bispo de Angra apelou à celebração do Tríduo Pascal, “em celebração privada, e dentro do possível” transmitida pelas redes sociais ou internet.

D.João Lavrador convidou cada pároco, “sem deixar de respeitar as normas sanitárias vigentes”, a encontrar “uma forma criativa” de se tornar presente através de um sinal pascal junto dos seus paroquianos.

As principais celebrações, presididas pelo prelado, vão ser transmitidas em direto pela RTP Açores, pela rádio Antena 1-Açores, o Rádio Clube de Angra e VITEC, que já transmite habitualmente a Missa dominical na Sé, em direto. Mas, em muitas ouvidorias, o Clero optou por se juntar, mantendo as devidas cautelas, e encontrou forma de garantir a transmissão das celebrações para as suas comunidades.

Na diocese insular, o Tríduo Pascal manterá as principais celebrações, mesmo “sem a possibilidade de assembleia”. Na Catedral, a Missa da Ceia do Senhor, na Quinta-feira santa será às 20h00; na Sexta-feira Santa, a celebração da Paixão do Senhor, às 15h00; e no dia seguinte, a vigília Pascal começa às 21h00 (hora local, mais uma em Portugal Continental).

O bispo de Angra vai presidir à Missa de Páscoa da Ressurreição do Senhor, às 11h00 do dia 12 de abril, também na Sé.

As celebrações desta Páscoa são todas à porta fechada por determinação da Santa Sé.

Para que as famílias possam participar melhor nas celebrações sugere-se a preparação do local onde vai ser seguida a celebração, que antes do inicio da celebração possa haver um breve momento de silêncio, que durante a celebração se possam acompanhar os gestos habituais, tal como se se estivesse na igreja, nomeadamente o sentar, o ajoelhar e o levantar.

“É importante dar valor ao silêncio para interiorizar a Palavra de Deus e, depois da Comunhão de quem preside, cada um ou em família, fazer um ato de comunhão espiritual. Escolher previamente, cada um ou em família, a oração para fazer essa comunhão espiritual. Ou, então, fazer a oração de comunhão espiritual sugerida por quem preside à liturgia eucarística”, indica o departamento.

As recomendações da liturgia e da catequese, através dos seus departamentos nacionais, recomendam ainda um  breve tempo em oração individual, ou fazer um momento de partilha em família,  favorecendo a reflexão sobre “o que a Palavra de Deus suscitou no coração de cada um”.

Recordando a sugestão do catecismo da Igreja Católica, o Departamento de Liturgia aconselha a criação de um “pequeno recanto da oração”, com dignidade e recolhimento, onde “se coloca a Bíblia aberta, a imagem do crucifixo, um ícone/imagem da Virgem Maria, uma vela para acender no momento oportuno”.