D. João Lavrador presidiu esta noite à Missa da Ceia do Senhor na Catedral açoriana

O bispo de Angra, que presidiu esta noite à missa da Ceia do Senhor, durante a qual institui 15 novos Ministros Extraordinários da Comunhão, das ouvidorias da Praia da Vitória e de Angra do Heroísmo, afirmou, na sua homilia, que a Eucaristia “é o centro da atividade evangelizadora” de qualquer comunidade cristã, onde o serviço ao outro deve ser a prática dominante.

“A Eucaristia é, deste modo, o serviço de Deus à humanidade na oferta do Seu Filho feita alimento para saciar a fome do Povo Peregrino na história, mas converte também a comunidade cristã e cada cristão que celebram a Fracção do Pão a tornar-se numa comunidade de serviço aos irmãos”, disse D. João Lavrador.

“Penetrar na Eucaristia, deixarmo-nos envolver e contemplar Aquele que aí se manifesta, é das tarefas mais belas, deliciosas, gratificantes e exigentes”, acrescentou.

O prelado, que preside pela terceira vez às celebrações da Semana Santa na Catedral dos Açores, a Sé de Angra do Heroísmo, lembrou a importância da mensagem desta primeira celebração do Tríduo pascal. A Missa vespertina da Ceia do Senhor, na quinta-feira, assinala o início do Tríduo com um caráter festivo, evocando a instituição da Eucaristia, a instituição do sacerdócio e o “mandamento do amor”, no gesto do lava-pés.

“Para uma verdadeira experiência cristã, de discípulos que se sentam à mesa com o Mestre, teremos de assumir este dupla exigência. Aceitarmos na humildade o convite a saborearmos a Ceia pascal, na fidelidade à vontade divina, e colocarmo-nos ao dispor de testemunharmos a beleza e o encanto do encontro com Jesus Cristo presente nos sinais eucarísticos do pão e do vinho” disse D. João Lavrador.

Para D. João lavrador, o serviço “começa no interior da própria comunidade” através da “partilha dos dons e carismas, serviços e ministérios entre os seus membros”, abrindo-se igualmente “ao mundo de modo que a mesma missão de Jesus Cristo se torna a sua própria acção de servir a pessoa e a sociedade”.

O prelado diocesano, que ontem presidiu à Missa Crismal, também na Sé, e depois de se ter encontrado com todo o clero diocesano em duas celebrações em São Miguel e no Pico, onde os sacerdotes foram convidados a renovar as suas promessas, desafiou entretanto os cristãos açorianos a abandonar uma “fé auto-referencial, a partir das construções pessoais, das opiniões particulares ou dos interesses” e  a deixar-se “encontrar por Jesus Cristo que nos convida a participar em comunidade na Ceia pascal continuamente celebrada na Sua Igreja através da Eucaristia”.

“Esta é a hora da comunidade cristã, alimentada na Eucaristia, vivendo em profundidade a Ceia Pascal e deixando-se motivar pela força renovadora da presença real de Jesus Cristo, é chamada a interpretar os sinais, os gemidos, os acontecimentos e os anseios da humanidade de hoje que sendo realidades humanas exigem a luz nova, a reta orientação e a profundidade de significado que só poderá vir da Páscoa de Jesus Cristo”, concluiu o bispo de Angra.

Amanhã, sexta-feira santa, e segundo  dia do Tríduo Pascal, o prelado regressa à Sé onde haverá o Ofício de Leitura e Hora de Laudes, e à tarde, a partir das 15h00, preside à Paixão do Senhor. A Via-sacra e Procissão do Senhor Morto nas ruas de Angra está agendada para a noite de sexta feira.

As celebrações a 31 de março começam à mesma hora, do dia anterior, e a Vigília Pascal de Sábado Santo está marcada para às 21h30.

No domingo de Páscoa, D. João Lavrador vai presidir à Solenidade da Ressurreição do Senhor, às 11h00, também na Catedral de Angra, e que terá transmissão em direto pela RTP Açores.