D. João Lavrador é o convidado do primeiro programa de rádio Igreja Açores no arranque de mais um ano pastoral

A formação vai ser a grande aposta da diocese de Angra no próximo ano pastoral e será uma oportunidade para que todos os cristãos açorianos possam refrescar as orientações do Concilio Vaticano II em ordem a uma saída missionária em igreja, procurando evangelizar crentes e não crentes, afirma D. João Lavrador ao programa de Rádio Igreja Açores, que regressa este domingo à Antena 1 Açores e ao Rádio Clube de Angra, depois do meio dia.

“Temos apostado num programa pastoral com um grande enfoque na pastoral social primeiro em articulação com a família e este ano com os jovens. No próximo ano, vamos continuar com esta aposta, mas com uma revisitação ao Concilio Vaticano II e, por isso, o lema é comunidades evangelizadas, isto é, comunidades que escutam e se deixam transformar pela palavra do Evangelho, para depois partirem em missão” disse o bispo de Angra na primeira entrevista do novo ano pastoral que arranca no primeiro domingo de outubro.

“Desde que entrei na diocese sempre entendi que apesar da dispersão geográfica há uma só diocese; ela é um todo desde Santa Maria ao Corvo e em todas as ilhas tem de ser fomentada a unidade em prol de uma comunhão operativa que se desenvolva em missão para todos”, esclarece o prelado diocesano.

“Nós estamos num tempo em que as pessoas reconhecem que têm de ser participativas e nós temos de ser capazes de criar as condições para que as pessoas participem” refere ainda lembrando que a igreja “não pode estar dependente só do clero”.

“Uma igreja em missão não está assente apenas no clero e por isso os mecanismos para uma formação têm de ser implementados de forma a que cada cristão deve deixar-se evangelizar para melhor evangelizar”, acrescentou.

Embora reconheça que os “tempos não são fáceis” e há “muitos constrangimentos à disponibilidade”, a verdade acrescenta D. João Lavrador, “o cristão também tem consciência de que a missão faz parte integrante da vida de batizado”. E, neste capítulo, para os leigos há uma questão clara, refere ainda: “eles são importantes na comunidade seja na catequese nos grupos sociais, em movimentos, na pastoral social, mas a sua primordial tarefa é nas estruturas do mundo, isto é, no trabalho, na família, nas relações sociais”, diz.

Neste programa que vai para o ar domingo, dia 2 de setembro, falar-se-a ainda desta orientação da formação com conversas soltas com os responsáveis pela articulação do Plano Pastoral nesta área a saber: o Vigário Episcopal para a Formação do Povo de Deus, cónego Ângelo Valadão; o reitor do Seminário Episcopal de Angra, Pe. Hélder Miranda Alexandre e o diretor do Instituto Católico de Cultura, cónego José Constância. No programa poderá ainda viajar com uma equipa de missionários em Vila Franca do Campo.