Pelo Pe José Júlio Rocha.

Quando Jesus saiu dali, os escribas e os fariseus começaram a persegui-lo terrivelmente e a provocá-lo com perguntas sobre muitas coisas, armando-Lhe ciladas, para O surpreenderem nalguma palavra da sua boca. (Lucas 11, 54)
A disputa entre Jesus e os fariseus, escribas e doutores da lei marca algumas das páginas mais intrigantes dos Evangelhos.
As palavras e os gestos de Jesus provocam um profundo mal-estar no império político e religioso da época, sobretudo na Galileia e em Jerusalém.
Não podemos classificar Jesus como um revolucionário político ou religioso, mas muito mais do que isso: a vida e a mensagem de Jesus são aquilo que Deus quer para o mundo.
Os discípulos de Jesus não podem pactuar com poderes corruptos ou opressivos.