Assistente e casal diocesano responsáveis pela pastoral familiar, dizem-se “entusiasmados” com os desafios do Papa Francisco ao declarar 2021 como o ano da Família

 

A equipa do Secretariado Diocesano da  Pastoral Familiar na diocese de Angra considera que o Ano da ‘Família Amoris Laetitia’, convocado pelo Papa, é “um desafio” a rodas as famílias insulares para ”aprofundarem uma reconciliação com Deus”.

“Colocar a família no centro é muito pertinente” disse ao Igreja Açores o assistente, padre Francisco Zanon.

“A união da família, no contexto de tantos problemas que vivemos, com o isolamento provocado pela pandemia, é um desafio e um convite a todos para fortalecermos este vínculo” seja da família nuclear seja da própria comunidade, como família das famílias, avança o sacerdote.

“Este ano, em particular, as famílias são desafiadas à reconciliação profunda dos seus membros, com uma maior adesão à Pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele é que nos une a todos nós; por isso,  esse vinculo, essa busca incessante para que a espiritualidade e o sentido de pertença a Jesus e à Igreja seja mais forte é muito importante” refere, ainda, o sacerdote.

Já o casal Anita Dias e Carlos Amaral, desde setembro responsáveis pelo Secretariado Diocesano, não escondem o “entusiasmo” mas também a “inquietação” dos desafios deste ano.

“O anuncio trouxe entusiasmo e inquietação dada a responsabilidade de corresponder neste momento tão marcante para a família. Tudo faremos para conseguir fazer chegar esta mensagem do Papa Francisco e da CEP aos namorados, noivos e famílias e de Portugal”, refere Anita Dias.

“Estamos certos de que a dinâmica trazida pela exortação Amoris Laetitia irá contribuir para este objetivo”, diz ainda lembrando que o anúncio cristão sobre a família é verdadeiramente uma boa notícia.

A 27 de dezembro de 2020, dia em que a Igreja Católica celebrou a festa litúrgica da Sagrada Família, o Papa anunciou um “ano especial” dedicado à família, a partir de 19 de março, assinalando o 5.º aniversário da exortação ‘Amoris Laetitia’.

Esta exortação apostólica foi um dos documentos deste pontificado mais discutidos, sobretudo no que respeita ao capítulo VIII onde se trata a questão da fragilidade e do acesso dos recasados a alguns sacramentos.

O Papa publicou a 8 de abril de 2016 a sua exortação apostólica sobre a Família, ‘Amoris laetitia’ (A Alegria do Amor), uma reflexão com nove capítulos, mais de 300 pontos, que recolhe as propostas de duas assembleias do Sínodo dos Bispos (2014 e 2015) e dos inquéritos aos católicos de todo o mundo.

Para a vivência deste ano especial ‘Família Amoris Laetitia’ existem várias propostas. O Departamento Nacional da Pastoral Familiar destaca que uma “das grandes novidades” é o projeto ‘10 vídeos Amoris Laetitia’, onde o Papa Francisco vai explicar os capítulos da exortação apostólica e, em simultâneo, o departamento pretende apresentar propostas concretas de aplicação da ‘Amoris Laetitia’ a dioceses e movimentos, com base nos 12 percursos elaborados pelo Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé).

O ano dedicado à família vai terminar no Encontro Mundial das Famílias, em Roma (26.06.2022), que tem como tema ‘Amor em família: vocação e caminho da santidade’.

 

12 Passos de um caminho em união:

1.Fortalecer a pastoral de preparação para o matrimónio – remota, próxima e imediata

2. Potenciar a pastoral de acompanhamento dos esposos

3. Organizar encontros para os pais sobre a educação dos filhos e sobre os desafios mais atuais

4. Promover encontros de reflexão sobre a beleza e dificuldades da vida familiar

5. Intensificar o acompanhamento dos caiais em crise

6. Inserir casais de esposos nas estruturas da pastoral familiar

7. Promover nas famílias a sua natural vocação missionária

8. Desenvolver uma pastoral da pessoa idosa que vise superar a cultura do descarte e a indiferença

9. Envolver a pastoral juvenil com iniciativas de reflexão discussão sobre as questão da família

10. Promover a preparação para o X Encontro Mundial das Famílias

11. Lanças iniciativas de acompanhamento e discernimento para as famílias feridas

12. Organizar grupos de aprofundamento sobre a ‘Amoris Laetitia’