D. Nuno Almeida presidiu esta segunda feira, em que a igreja celebra a festa da Transfiguração de Jesus, ao dia grande da festa mais importante da ilha do Pico: o Senhor Bom Jesus Milagroso

O bispo auxiliar de Braga desafiou os peregrinos do Senhor Bom Jesus do Pico a fazerem do Santuário  o “Tabor  de encontro profundo e transfigurante com o Senhor e com os irmãos”.

“Como é bom estarmos neste Santuário Diocesano do Senhor Bom Jesus Milagroso de S. Mateus do Pico! É hoje o nosso Tabor de encontro profundo e transfigurante com o Senhor e com todos os irmãos!”, disse D. Nuno Almeida na missa solene das Festas do Senhor Bom Jesus Milagroso que hoje tiveram o seu ponto alto com a Procissão pelas ruas de São Mateus, na ilha do Pico.

Salientando a coincidência entre esta festa religiosa do Pico, a mais importante da ilha montanha, e a festa da Transfiguração do Senhor, assinalada em toda a igreja nesta data, o prelado lançou um desafio: “peço-vos, irmãos e irmãs, um exercício simples de imaginação. Estamos mesmo no sopé da montanha mais alta de Portugal. Imaginemos que o Senhor Jesus nos convida, como convidou Pedro, Tiago e João, a subir ao Pico ou até ao “Piquinho”, ao nosso “Tabor”. Que Jesus nos convida, como a Pedro, Tiago e João, a permanecer com Ele e a fazer a mesma experiência indisível de luz e alegria. Nos convida depois a descer e a retomar o caminho, encontrando os mesmos problemas, mas já com outros olhos totalmente novos e com força para caminhar!”

“Três palavras dão-nos, portanto, a chave para compreendermos a Palavra do Senhor desta Festa e para a vivermos com alegria e empenho: subir, permanecer, descer!”, acrescentou D. Nuno Almeida, explicitando cada um dos verbos.

“Subir significa libertar-nos de tudo o que nos desumaniza. Poderá ser deixar um vício, ou deixar a preguiça. Subir para encontrar silêncio para rezar. Organizar a agenda para a missa de cada domingo. Desligar o telemóvel para dialogar. Alterar o nosso programa para nos fazermos próximos de um doente ou de uma família a viver o luto” afirmou o prelado desafiando os peregrinos presentes a quebrarem um certo “individualismo”.

Para isso recomendou a oração em família, feita a partir da escuta e da reflexão sobre a palavra de Deus.

“É urgente, hoje, colocarmo-nos individualmente, como família ou em pequeno grupo, ao redor e a escutar a Palavra de Deus. Para que esta Palavra ilumine, transfigure a nossa vida, sobretudo, naquelas ocasiões em que parece que não se aguenta mais, que não há solução, que é o fim!”, disse D. Nuno Almeida.

Finalmente apelou ao fim do comodismo, isto é, os verdadeiros discípulos, diz o prelado, devem estar disponíveis para a missão, mesmo que ela tenha custos.

“É preciso descer; em baixo há caminho ainda por andar; está uma Jerusalém à espera e nela um caminho que leva a outro monte, o Monte Calvário onde se faz a passagem e a transfiguração definitivas”, explicitou sublinhando que esta entrega deve ser feita “sem reservas”.

O bispo auxiliar de Braga foi o presidente das Festas de 2018 do Senhor Bom Jesus Milagroso, na ilha do Pico, sob o lema “Há mais alegria em dar do que em receber” (At 20, 35).

A festa termina amanhã com celebrações várias no Santuário do Senhor Bom jesus e a recolha da imagem ao Coro.