Esta quarta-feira sacerdotes das ilhas Terceira e do Corvo participaram na Jornada Formativa do Clero

O bispo de Angra convidou o clero da Vigararia do Centro a promover uma maior participação e corresponsabilização dos leigos na vida das comunidades.

A partir de uma reflexão sobre a Lumen Gentium, constituição dogmática do Concilio Vaticano II, D. João Lavrador sublinhou as vantagens de uma igreja mais ministerial, com partilha de serviço entre leigos e sacerdotes.

“A participação ativa e em todos os domínios da vida da Igreja de todos os batizados está consagrada na doutrina do Concilio Vaticano II” disse reconhecendo o “valor da presença e da participação ativa e consciente” do homem e da mulher de hoje na vida da igreja que tende a afastar-se naturalmente “quando não é chamado a participar conscientemente na vida e na missão da Igreja”.

“Eis o grande desafio que temos de levar a sério, que nos é colocado a partir da cultura de hoje e das exigências conciliares” frisou o prelado lembrando que a atualidade do Concilio reside precisamente na capacidade de resposta aos desafios que a cultura moderna impõe.

“Não desenvolver e promover os dons e os serviços de todos os cristãos seria não atender ao que o Espírito Santo quer oferecer à Igreja de hoje” afirmou D. João Lavrador na jornada formativa do clero da Vigararia do Centro, que decorreu no Seminário Episcopal de Angra.

“Esta luz nova que se projeta sobre a Igreja exige que se promovam nas paróquias verdadeiras comunidades ministeriais” afirmou ainda destacando que este desafio “desperta nas paróquias a sua atenção a novas formas de participação”, sem as quais não existirão respostas eficazes a determinados grupos eclesiais.

“A participação dos cristãos nos diversos movimentos e comunidades são uma riqueza e uma oportunidade para que a paróquia se renove e se capacite para a missão do mundo de hoje”, disse.

Aliás, a este propósito o prelado diocesano lembrou a plasticidade do papel dos cristãos seja dentro da igreja seja no mundo.

“Os leigos, membros ativos e participantes, possuem uma índole especifica na missão da Igreja, isto é, a sua característica secular”, isto é, “Se eles são chamados a participarem ativamente na comunidade através dos diversos serviços laicais no contexto do anuncio, da liturgia e da partilha fraterna, pertence-lhes de direito próprio a sua presença no meio do mundo, à maneira de fermento, para transformar a cultura e a sociedade com a força do Evangelho”.

D.João Lavrador falou ainda do desafio da santidade, presente em toda a caminhada da vida de um cristão, e da necessária formação, que deve ser aprofundada para que esse caminho seja percorrido sem sobressaltos.

“É na comunidade cristã que se encontram os meios para crescer na santidade. Desde logo, a comunhão dos irmãos, a escuta da Palavra, os Sacramentos, a partilha fraterna, a oração comunitária e o despertar para a missão” destacou o prelado enfatizando, de modo particular, que “a santidade e a comunidade cristã estão unidas”.

“A formação integral do cristão exige a sua integração na comunidade cristã, a sua responsabilização pela missão da Igreja e pela Evangelização e a sua participação consciente e ativa na Igreja”, concluiu.

Além do bispo de Angra usou da palavra também o Vigário Episcopal para a Formação, o cónego Ângelo Valadão que falou sobre a nova consciência eclesial formada a partir da Lumen Gentium.

Esta quinta-feira a Jornada de Formação do Clero realiza-se no Centro Pastoral Pio XII em Ponta Delgada e reunirá o clero de São Miguel e Santa Maria.