D. João Lavrador preside à Comissão Episcopal dos Bens Culturais e Comunicação e social e apresentou aos seus pares linhas gerais deste plano comunicacional

A Conferência Episcopal Portuguesa(CEP) vai ter um gabinete de comunicação que ficará na dependência direta do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais e que terá um assessor de imprensa que trabalhará diretamente com o secretário da Conferência Episcopal, que é o porta-voz, avançou ao Igreja Açores D. João Lavrador.

O prelado apresentou aos seus pares o esboço do Plano Nacional de Comunicação da Igreja e explicitou que este serviço terá ainda um conjunto de consultores regulares de órgãos de informação e organismos autónomos no âmbito da esfera da igreja.

As declarações do bispo de Angra podem ser ouvidas no programa de rádio Igreja Açores que vai para o ar este domingo, depois do meio dia no Rádio Clube de Angra e na Antena 1 Açores.

“Queremos criar um conselho de opinião coeso que possa ajudar-nos a seguir este caminho, fortalecendo a comunicação da Conferência Episcopal em perfeita articulação com aquilo que já se faz nas dioceses”, referiu o prelado.

A Conferência Episcopal Portuguesa analisou em Assembleia Plenária, que decorreu em Fátima entre segunda e quinta feira,  um Plano de Comunicação Social da Igreja, que visa “potenciar” as várias iniciativas.

Os bispos portugueses entendem que é preciso enfrentar as alterações na “maneira de comunicar”, com o “desenvolvimento tecnológico”, sublinhando a “importância” da rede de jornais da Igreja Católica, da Rádio Renascença ou da Agência ECCLESIA, além de “outras iniciativas, mais particulares”.

Na CEP, precisou o responsável, existe a preocupação de “juntar iniciativas”, “potenciando aquilo que cada uma delas pode dar”.

No final da reunião o presidente da Conferência Episcopal, D. Manuel Clemente, falou num processo de diálogo para “ir integrando as várias iniciativas e realidades”, por um resultado “mais abrangente, mais capaz”.

O objetivo, acrescentou, é “melhorar a oferta”, para que seja “mais definida, quer nos sujeitos, quer nos objetivos” e “tecnologicamente mais capaz”.

O presidente da CEP descartou um cenário de “fusão” e disse que os trabalhos em curso visam “aproximar” e “potenciar” os diversos organismos, sem os privar da sua “criatividade” própria.

“É um caminho que tem dado passos”, concluiu.

“Tendo em vista a elaboração de um Plano de Comunicação Social da Igreja, a Assembleia tomou conhecimento da reflexão feita pela Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, que inclui um serviço central de Comunicação, e aprovou o seu prosseguimento em ligação com o Conselho Permanente e o Secretariado Geral”, refere o comunicado final da Assembleia Plenária da CEP, que decorreu em Fátima desde segunda-feira.