D. João Lavrador presidiu ao último dia do tríduo preparatório da festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres

O bispo de Angra exortou esta tarde os devotos do Senhor Santo Cristo a defender a vida em todas as circunstâncias combatendo a cultura de morte dominante na atual sociedade.

No último dia do tríduo preparatório da festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em Ponta Delgada, D. João Lavrador lembrou que Jesus “é a Vida que deve ser seguida”.

“Só quem Nele permanece viverá em plenitude”, afirmou o prelado diocesano na homilia da missa na Igreja do Senhor Santo Cristo, no terceiro e último dia do tríduo preparatório desta festa..

“Nem o sofrimento nem a morte são a última realidade do ser humano” apesar da cultura de hoje ser o contrário disto.

“Por medo afasta-se do sofrimento, eliminando o que sofre; mas afasta-se da morte para não ter que se interrogar diante dela; há quem passe muitas dificuldades” exemplificou o bispo de Angra.

“Temos de questionar: Jesus ajuda-nos e oferece-nos a sua plenitude de vida através da sua ressurreição”, por isso “ela deve ser defendida até às últimas consequências”, pois a  vida “é o lugar onde se recebe o chamamento e ecoa um grito para a missão”.

“A vida é o maior dom de Deus e nela está espelhada a esperança” esclareceu.

A partir da liturgia proposta para este tríduo- Jesus é o caminho, a verdade e a vida-, o bispo de Angra desafiou os devotos a interrogarem-se sobre como querem caminhar quer como pessoas quer como comunidade.

“Estamos a viver um tempo muito delicado que é a pandemia; com consequências, desde logo, ao nível da saúde, da nossa vida concreta- aliás,  a forma como estamos a viver estas festas é uma consequência destes tempos- isto deve fazer-nos refletir sobre o que esta pandemia está a fazer à comunidade” afirmou D. João Lavrador.

“Que comunidade queremos ser? A realidade social está afectada, está a gerar muitas dificuldades, desde o desemprego, às dificuldades familiares, humanas e sociais que estão a afetar tantos de nós; a economia está desequilibrada…Estamos diante de um drama, de um problema. Aproveitemos este vazio da nossa festa para nos interrogarmos e deixemo-nos irmanar, cientes de que Jesus é a vida e é amor”, concluiu.

A festa do Senhor Santo Cristo, que este ano volta a não ter peregrinos, terá as principais celebrações transmitidas em direto pela RTP Açores. Depois de três dias, coma transmissão da Eucaristia vespertina a partir da Igreja do Senhor Santo Cristo, em Ponta Delgada, esta sexta-feira, altura em que se iniciava a festa, também no seu lado mais profano com a abertura das luzes na fachada do Convento da Esperança e na Igreja do Santo Cristo, será emitido um programa com a participação telefónica dos peregrinos. No sábado , às 16h00, terá lugar uma celebração da Palavra e, no domingo, a Missa às 9h30, terá transmissão em direto na RTP Açores e RTP Internacional.