D. João Lavrador recorda o presbítero e o homem

O bispo de Angra lamenta a morte do Pe. Caetano Tomás e adianta que a diocese deve lembrar o seu exemplo de entrega e de dedicação à igreja e ao mundo.

“Devemos ter uma atitude de acção de graças pela longa vida deste sacerdote que foi bem vivida e de total entrega à igreja” afirmou D. João Lavrador ao Igreja Açores.

“Julgo que todos devemos estar gratos pela maneira como foi capaz de ser padre,  e como ajudou outros a serem padres” acrescentou ainda sublinhando que se trata “ de um exemplo pela forma como se deu pela causa do Evangelho marcando várias gerações, não só de sacerdotes mas também de leigos”.

O bispo de Angra ressalva ainda as qualidades humanas do Pe. Caetano Tomás “pela sua simplicidade, atenção e humildade”.

O Pe. Caetano Tomás faleceu esta quinta feira, depois da sua saúde ter piorado substancialmente em meados de janeiro. Monsenhor Caetano Tomás completaria 94 anos no próximo mês de setembro.

O seu funeral tem lugar amanhã, às 15h00, na Sé de Angra, para onde será transladado o corpo que hoje, a partir da parte da tarde, poderá ser velado na capela da Casa de Saúde de São Rafael.

Também o atual reitor do Seminário Episcopal de Angra destaca as qualidades pessoais e sacerdotais do antigo professor da instituição.

“O seminário está de luto. È um dos professores mais importantes desta casa e dedicou a sua vida ao Seminário, formando gerações.  É com grande pesar que vemos partir uma das pessoas mais importantes da história do seminário”, disse ao Igreja Açores o Pe. Hélder Miranda Alexandre.

O responsável pelo Seminário, que foi aluno do Pe. Caetano Tomás recorda a sua exigência mas também a sua proximidade aos alunos.

“Ele exigia muito de nós porque era muito competente. Mas era muito nosso amigo. Apesar de frisar sempre que queria que nós fossemos os melhores conhecia os nossos limites e fazia-se próximo”, refere ainda. “Era um grande amigo desta casa e da igreja em geral. É com pesar que o vemos partir”, conclui.

Nascido na ilha das Flores, a 12 de Setembro de 1924, Francisco Caetano Tomás era considerado um homem do mundo.

Monsenhor Caetano Tomás, como era conhecido, completou os seus estudos iniciais no Seminário Episcopal de Angra, na ilha Terceira, tendo de seguida estudado em Roma, de 1947 a 1954, na Pontifícia Universidade Gregoriana, onde se licenciou em Teologia e Filosofia e onde foi ordenado. Fez também alguns cursos de Matemática, Física e Métodos Científicos na Universidade de Roma.

Regressou aos Açores em 1954, fixando-se em Angra do Heroísmo, onde iniciou a sua carreira de docente no Seminário Episcopal de Angra.

Foi também docente, de Psicologia, na Escola do Magistério Primário de e na Escola Superior de Enfermagem , ambas em Angra do Heroísmo.

Para além da sua atividade de docente, destacou-se na introdução do aconselhamento psico-social, especialmente em matérias matrimoniais e de família, no âmbito da ação pastoral da Igreja, no âmbito da qual foi nomeado cónego da Sé Catedral de Angra e distinguido com o título eclesiástico de monsenhor.

Em 1980 passou a ser o responsável pelos Cursos de Preparação para o Matrimónio, foi capelão de São Gonçalo, da casa de Saúde de São Rafael e “pregou” no Bairro do Lameirinho.