Trabalhos da assembleia diocesana que reúne sacerdotes e leigos entram na reta final. D. João Lavrador fala numa experiência “muito agradável, útil e profunda”

Depois de dois dias de trabalhos intensos, particularmente centrados na Cultura e na realidade económico-social dos Açores, os sacerdotes e os leigos que integram a assembleia diocesana, reunida em Ponta Delgada desde sexta-feira, entram agora na reta final. Este domingo discute-se a realidade eclesial do arquipélago.

Em declarações ao programa de Rádio Igreja Açores, este domingo, D. João Lavrador afirmou que tem sido “uma experiência muito agradável, muito útil e muito profunda” não só pela “configuração” de reunir padres e leigos, mas também pela reflexão “conjunta em plano de igualdade”.

“Tem sido muito importante este modelo” referiu ainda sublinhando que os temas são “determinantes para balizar a ação da Igreja”.

“Estão a acontecer muitas mudanças, muitas coisas novas…Estamos numa nova época a exigir uma Igreja, que dentro das suas circunstâncias, da sua pobreza e das suas fragilidades, se coloque disponível para estar no mundo, auscultando-o e procurando dar-lhe o fermento do Evangelho, que é sempre novo e atual”, refere o prelado.

“A Igreja não pode estar alheada do mundo: a educação, o emprego e a promoção social…Se isto falhar, e não for bem desenvolvido,  gera pobreza e isto tem que despertar a comunidade cristã”, destaca.

“Queremos ser uma Igreja ao serviço da dignidade da pessoa e da sociedade; uma Igreja que  sendo sinodal é participativa”, referiu.

Questionado sobre a possibilidade de na diocese se concretizar um sínodo a breve trecho, o bispo de Angra lembra que para já “é cedo” e que a prioridade é “fazer caminho”.

“Ainda não estamos a por esta questão (do sínodo). Agora interessa-nos despertar as comunidades para a sua participação e envolvimento”, enfatiza.

“ Com esta caminhada queremos provocar um desejo de participação comunitária que tenha no centro a eucaristia e depois termos comunidades cristãs que assumam a missão de estar a auscultar os sinais de Deus, servindo ao mesmo tempo a sociedade” adianta sublinhando que “esta é a prioridade”.

As conclusões desta assembleia, que reúne pela primeira vez em simultâneo os membros dos conselhos presbiteral e pastoral diocesano, num total de 75 pessoas, deverão ser conhecidas na tarde de segunda feira.