Iniciativa assinala o Dia Mundial dos Pobres, decretado pelo Papa Francisco

A Cáritas da Ilha Terceira promove o dia `Porta Aberta´, a 17 de novembro, uma iniciativa que se integra na celebração do Dia Mundial dos Pobres, informa uma nota enviada ao sitio Igreja Açores.

Com esta iniciativa, a instituição pretende “dar a conhecer as várias ações realizadas pela instituição, no âmbito da promoção de competências junto de públicos em risco ou em situação de exclusão social” refere a instituição.

A celebração de 19 de novembro, penúltimo domingo do ano litúrgico na Igreja Católica, é proposta pelo Papa como ocasião de “verdadeiro encontro com os pobres”, para “dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida”.

A celebração tem como lema ‘Não amemos com palavras, mas com obras’.

D.Rino Fisichella, presidente do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, realça que o Papa Francisco “quis dar o exemplo paradigmático de São Francisco de Assis”, o qual “não se contentou com abraçar o leproso e dar-lhe esmola, mas compreender que a verdadeira caridade consistia em estar junto dele, na marcação deste dia.

“A cultura do encontro resolve-se na partilha, em que o outro já não é um estranho, mas é olhado e tratado como um irmão que precisa de mim”, acrescenta o arcebispo italiano.

“O pobre pode entrar em casa, quando, de dentro da casa, se compreendeu que a ajuda é a partilha”, observa o presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização.

O Papa vai presidir à Missa na Basílica de São Pedro, neste I Dia Mundial dos Pobres, a partir das 10h00 (menos uma em Lisboa).

A criação do Dia Mundial dos Pobres foi decisão anunciada por Francisco na conclusão do Jubileu da Misericórdia (dezembro 2015-novembro 2016).

O Papa explicou na altura que vê nesta nova celebração a “mais digna preparação para bem viver a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo”, que encerra o ano litúrgico na Igreja Católica, evocando a sua identificação com os “mais pequenos e os pobres”.

Na sua mensagem para a celebração de 2017, Francisco criticou a “riqueza descarada” de uma minoria de “privilegiados” que agrava os níveis de pobreza, a nível mundial.

A figura escolhida como “testemunha da pobreza genuína” é São Francisco de Assis, que fundou a Ordem dos Frades Menores (franciscanos) em 1209.

(Com Ecclesia)