Iniciativas decorrem até 15 de outubro de 2015. Diocese de Angra recebe iniciativas entre 26 e 28 de junho

A congregação dos Carmelitas Descalços em Portugal estão a assinalar os 500 anos do nascimento de Santa Teresa de Jesus com um vasto conjunto de iniciativas de âmbito espiritual e cultural com congressos, exposições, cursos e uma peregrinação.

“Será um ano de festa e ação de graças pelo dom desta mulher à Igreja e à Humanidade, porque é uma figura marcante pela sua santidade, inteligência, capacidade reformadora e renovadora da vida da Igreja”, explica o comunicado uma nota da congregação.

A congregação religiosa destaca também o “humanismo” de Santa Teresa de Jesus, “os seus dotes literários” e a “fina psicologia que desbrava o conhecimento do ser humano”.

Para assinalar esta efeméride, até ao próximo dia  15 de outubro a congregação dos Carmelitas Descalços vai realizar diversas iniciativas.

Na Diocese de Angra, o encontro de espiritualidade tem lugar entre os dias 26 e 28 de junho, em Angra do Heroísmo, coincidindo com o encerramento do ano pastoral diocesano.

O vasto conjunto de atividades de cariz espiritual e cultural conta ainda com várias exposições itinerantes sobre as obras teresianas, uma específica sobre “a sua receção em Portugal” e uma peregrinação a Fátima “com um musical no programa”.

Os Carmelitas Descalços vão realizar mais dois congressos, na Domus Carmeli, em Fátima: o Congresso Carmelita Teresiano, sobre Teresa de Jesus, de 15 a 18 de outubro, e o Congresso Internacional no V Centenário de Santa Teresa – A Reforma Carmelita Descalça em Portugal, entre 22 e 24 de outubro.

Entretanto, o Papa Francisco decretou um Ano Jubilar durante o V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus e em Ávila, local onde nasceu Santa Teresa de Jesus, são vários os locais onde se pode obter a indulgência plenária, como: a igreja catedral; a igreja do convento dos Padres Carmelitas Descalços, casa natal de Santa Teresa, a igreja do convento de São José, das irmãs Carmelitas Descalças, primeira fundação de Santa Teresa, a 24 de agosto de 1562, ou a igreja do Convento da Encarnação “onde tomou o hábito de Carmelita a 3 de novembro de 1536 e viveu até 1562.

“Este carisma temo-lo todos: a capacidade de amar. Peçamos a Santa Teresa do Menino Jesus esta capacidade de amar muito a Igreja, de a amarmos tanto, e de aceitar todos os carismas com este amor de filhos da Igreja, da nossa Santa Madre Igreja hierárquica”, concluiu o Papa.

Teresa de Ahumada nasceu no dia 28 de Março de 1515 e tinha 11 irmãos. Perdeu a mãe com 13 anos, altura em que junto da imagem de Nossa Senhora lhe pediu que fosse sua mãe. O pai internou-a no Colégio de Irmãs de Nossa Senhora da Graça, tendo decidido entrar no convento de Nossa Senhora da Encarnação, das carmelitas, uns anos mais tarde.

Depois da Profissão Religiosa, foi atingida por uma estranha e grave doença que a levou às portas da morte, ao ponto de se ter preparado a sepultura no cemitério do convento.

Em 1571, foi nomeada pelos superiores, prioresa da comunidade onde havia estado, a do Convento da Encarnação. Durante o seu priorato na Encarnação, chamou para Ávila S. João da Cruz, reconhecendo-o como o único capaz de a ajudar naquela difícil empresa, fazendo dele o confessor do convento. Quando o apresentou à comunidade disse: «Irmãs, trago-vos por confessor um Santo!».

Ao todo, fundou dezassete conventos. O último foi o de Burgos.