Movimento Encontro Matrimonial promove Fim de semana em Ponta Delgada

O Movimento Encontro Matrimonial vai promover entre amanhã e domingo o seu ‘Fim de semana Original’ com dez casais, independentemente de terem contraído matrimónio ou não, no Centro Missionário dos Padres Dehonianos , em Ponta Delgada.

“Esta é uma oportunidade para os casais se descobrirem e se focarem um no outro, durante este Fim de Semana Original (FDS) não há distrações a não ser namorar um com o outro” explicou Maria Luísa Raposo que faz parte da equipa coordenadora do EM com o marido, Mário Raposo, e o padre Nemésio Medeiros.

O FDS é o primeiro momento de contacto dos casais com o Movimento Encontro Matrimonial e o convite surge normalmente por parte de quem já participou.

“Começamos sempre pelos nossos amigos mais chegados mas qualquer pessoa pode auto propor-se para participar desde que haja vaga”, refere Maria Luísa Raposo.

A responsável destaca que o desafio é sempre o mesmo, “namorar sem outro compromisso”, e podem participar todos os casais independentemente de estarem ou não casados pela Igreja católica.

“Já tivemos casais com casamento civil e alguns deles casaram imediatamente a seguir pela Igreja. Aliás, houve só um que não o fez durante o FDS porque queria ter a família consigo”, recorda.

O FDS vai começar esta sexta feira, a partir das 19h00, e termina no domingo, dia 25, às 18h00 depois da celebração da Eucaristia. É o 12º FDS realizado na Diocese de Angra, o sexto por esta equipa eclesial, desde 2008.

Uma equipa de três casais católicos e um sacerdote vão partilhar 14 temas de reflexão durante o encontro através dos quais os participantes vão ter “oportunidade” de se “olharem individualmente e em casal” e de avaliarem a sua relação e a sua relação com os outros.

Os sacerdotes e religiosos (as) também podem participar nesta iniciativa, o 12º FDS na Diocese de Angra, que no seu caso concreto convida-os a “concentrarem-se na sua comunidade”.

O EM está presente em 90 países e foi fundado em 1962, estando em Portugal há 32 anos: “Afirma-se como um movimento cristão e católico mas respeita as convicções de todos, na certeza da importância de uma relação estável e dialogante”.