Paróquia das Lajes das Flores vai estar em festa durante este ano

O concerto da Filarmónica Nossa Senhora dos Remédios, que se realizou na Igreja Matriz das lajes das Flores este domingo, marcou a entrada em 2015,  em que se assinalam os 500 anos de presença da Igreja Católica no lugar mais ocidental da Europa.

“Este ano, somo convidados a olhar a nossa história: a descoberta da ilha, por volta de 1452, seguindo-se o povoamento após 1504, depois com a formação da Paróquia e da vila, somos levados a um passado de 500 anos (1515-2015) que constroem aquilo que é o falar e o sentir das gentes desta Ilha que outrora se chamou dos Corvos Marinhos, depois S. Tomás, e, por fim, pela abundância de flores se veio a chamar o nome que hoje ostenta: Ilha das Flores”, lembrou na abertura do Concerto o Diácono Eurico Caetano.

A presença da igreja está intimamente ligada ao povoamento e por isso, adianta a nota de abertura do concerto, falar dos 500 anos desta paróquia é falar em toda a história da ilha das Flores e isso corresponde a um esforço que permite “conhecer de onde vimos, ao mesmo tempo que devemos perguntar: Que queremos ser? Para onde vamos, como florentinos e como cristãos”, destaca o diácono ordenado em agosto de 2014 e colocado na ouvidoria das Flores.

Eurico Caetano apelou à recuperação de tradições antigas que façam preservar a memória coletiva dos florentinos. Entre elas a do rei Preto, que está ligada ao concelho das Lajes.

Reza a lenda que existiu um “Rei preto” a quem chamavam de atrasado visto ter chegado à lapinha oito dias depois. Em sua homenagem os florentinos saem à rua, todos os anos, nesta data,  para visitar os amigos, entoando canções alusivas à época.

O programa comemorativo dos 500 anos da paróquia de Nossa Senhora do Rosário prossegue durante todo o ano de 2015.