Maioria das 40 propostas efetuadas por cinco ranchos, assistente espiritual e um romeiro em nome individual,  mereceu a concordância dos mestres e contramestres presentes na reunião deste domingo

A maioria das 40 propostas de alteração a 25 dos 52 artigos que integram o regulamento do Movimento dos Romeiros de São Miguel, da autoria de cinco ranchos de romeiros e grupos paroquiais, assistente espiritual e uma proposta em nome individual, mereceu a concordância dos Mestres e Contramestres presentes na reunião com o Grupo Coordenador, que se realizou este domingo.

“Demos um passo importante na aprovação das propostas de alteração do regulamento que naturalmente terão de ser aprovadas pelo Bispo de Angra” disse ao Sítio Igreja Açores Paulo Jorge Amaral, do Grupo Coordenador, sublinhando que “falta agora dar a consistência e a harmonia técnica”- quer do ponto de vista jurídico quer do ponto de vista canónico- para que o trabalho fique concluído e possa ser enviado ao prelado diocesano.

As propostas de alteração foram “muito variadas”, uma foram aprovadas outras não, porque “algumas eram redundantes e não houve necessidade de as introduzir”, sublinhou ainda o dirigente dos Romeiros que está a coordenar este trabalho de revisão do regulamento, que resulta de um pedido expresso de D. António de Sousa Braga.

Entre as alterações está a duração do mandato dos dirigentes que integram o Grupo Coordenador, o processo de escolha desses elementos e aspetos que se prendem com a organização das próprias romarias e as tarefas de cada um dos dirigentes do rancho.

Depois de aprovada a esmagadora maioria das propostas de alteração, o Grupo Coordenador, que se absteve de votar ou fazer qualquer proposta de alteração (votou apenas um representante de cada rancho), vai agora elaborar a proposta final que será apresentada por ouvidoria no inicio do verão, embora o texto final só deva ser submetido, de novos, aos responsáveis pelos ranchos no inicio do novo ano pastoral. Nessa altura, também ficará decidido se o Dia do Romeiro deixa de ser o terceiro domingo após a Páscoa e passa a comemorar-se entre setembro e outubro, conforme sugestão de alguns grupos.

“A nossa preocupação agora está centrada na preparação das romarias e por isso este assunto, que já deu passos significativos, irá  ser ponderado e amadurecido na redação final de forma a que seja um documento coerente”, disse ainda Paulo Borges Amaral.

Os Romeiros vão ter o seu primeiro retiro anual no próximo dia 25, na Escola Secundária da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, um encontro que contará com a presença do Bispo de Angra e de vários oradores sobre a Alegria de ser Cristão e de ser Consagrado.

Participarão nos trabalhos Tomaz Dentinho, professor universitário e romeiro, na ilha Terceira, os padres Luís Leal (Lisboa) e Paulo Vieira (Dehoniano), e duas irmãs das congregações de São José de Cluny e Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus.