Conferência Episcopal e sala de imprensa da Santa Sé lamentam mortes e ataque à liberdade de imprensa

A Conferência Episcopal Francesa (CEF) e a Sala de Imprensa da Santa Sé condenaram hoje o ataque contra a sede do jornal satírico ‘Charlie Hebdo’, em Paris, que causou pelo menos 12 mortos e 20 feridos.

O padre Ciro Benedettini, vice-diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé falou numa “dupla condenação”, pelo “ato de violência” e pelo atentado contra a “liberdade de imprensa, tão importante como a liberdade religiosa”.

O jornal do Vaticano, ‘L’Osservatore Romano’, dedica parte da sua primeira página ao atentado, falando numa “estratégia da barbárie”.

Já o porta-voz da CEF emitiu em comunicado manifestando a “profunda comoção” e o “horror” dos bispos católicos, deixando uma palavra de solidariedade aos familiares e amigos das vítimas, bem como à redação do ‘Charlie Hebdo’.

“Um tal terror é evidentemente inqualificável. Nada pode justificar tal violência”, acrescenta a nota oficial assinada por D. Olivier Ribadeau-Dumas.

O porta-voz sustenta que a “barbárie” destes assassinatos atinge “todos” e atenta contra a “liberdade de expressão”, um “elemento fundamental” da sociedade.

O ataque à redação do jornal satírico francês ‘Charlie Hebdo’ aconteceu depois de homens armados terem entrado nas instalações da publicação, disparando indiscriminadamente com uma espingarda automática e um lança-rockets.

O presidente francês, François Hollande, deslocou-se ao local e denunciou um “ataque terrorista” de “extrema barbárie”.

A Universidade de al-Azhar, maior centro teológico sunita, com sede no Cairo, condenou num breve comunicado o atentado considerando-o como “ato criminoso” e reiterou que o Islão rejeita qualquer ato de violência”.

CR/Ecclesia