O Papa Francisco dedicou a sua primeira intenção de oração de 2021 à fraternidade humana, convidando os católicos a ver no outro “um irmão, uma irmã”, seja qual for a sua religião.

“Ao rezar a Deus seguindo Jesus, unimo-nos como irmãos àqueles que rezam seguindo outras culturas, outras tradições e outras crenças. Somos irmãos que rezam. A fraternidade leva-nos a abrirmo-nos ao Pai de todos e a ver no outro um irmão, uma irmã, para partilhar a vida ou para se apoiar mutuamente, para amar, para conhecer”, refere, numa mensagem em vídeo divulgada pela Rede Mundial de Oração do Papa, fundação pontifícia confiada aos jesuítas.

Francisco sublinha que “a Igreja valoriza a ação de Deus nas outras religiões” e que, para os cristãos, “a fonte da dignidade humana e da fraternidade está no Evangelho de Jesus”.

“Nós, os crentes, devemos voltar às nossas fontes e concentrar-nos no que é essencial. O que é essencial da nossa fé, a adoração a Deus e o amor ao próximo”, convida.

Rezemos para que o Senhor nos dê a graça de viver em plena fraternidade com os irmãos e irmãs de outras religiões, não andar a discutir, rezando uns pelos outros, abrindo-nos a todos”.

Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, a Rede Mundial de Oração do Papa destaca a ligação do vídeo à última encíclica de Francisco, ‘Fratelli tutti’ (todos irmãos), publicada em outubro de 2020.

“Para o Papa, as diferenças entre as pessoas que professam distintas religiões ou vivem de acordo com outras tradições não devem impedir que se chegue a uma cultura do encontro”, refere a nota.

O padre Frédéric Fornos, diretor Internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, destacou a importância desta intenção, que inaugura 2021.

“Depois de um 2020 marcado pelo impacto da pandemia, tanto na saúde como ao nível socioeconómico, é especialmente importante que esta intenção do Santo Padre nos ajude a vermo-nos verdadeiramente mais como irmãos e irmãs no caminho da paz que se torna cada vez mais necessária”, realça o religioso jesuíta.

(Com Ecclesia)