Novo Cardeal português e Bispo de Porto “cientes” dessa visita no ano em que Fátima celebra o centenário das aparições de Nossa Senhora.

O vice-primeiro ministro Paulo Portas manifestou hoje ao Papa Francisco o desejo de que este visite Portugal em 2017, no centenário das aparições de Fátima.

“Esses 100 anos são muito importantes para muitos portugueses com fé e nós gostaríamos todos de ter o Santo Padre em Portugal por ocasião desse centenário, em 2017. Aproveitamos para o sublinhar”, disse aos jornalistas, na Praça de São Pedro, após o consistório em que D. Manuel Clemente, patriarca de Lisboa, foi criado cardeal.

“Em 2017 acontece o centenário das aparições de Fátima, que em 1917 era uma periferia, uma aldeia. Nossa Senhora apareceu a pastores muito humildes”, acrescentou, numa referência a alguns dos temais centrais do atual pontificado.

Paulo Portas cumprimentou o Papa, juntamente com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, na Basílica de São Pedro, Vaticano, após a conclusão da cerimónia.

Este último adiantou que Francisco deixou palavras “muito simpáticas” para Portugal, esperando que a visita de 2017 seja uma realidade.

“Ele não fez uma promessa solene, mas disse que ouviu e várias pessoas falarem-lhe nisso e que não se ia esquecer”, acrescentou Machete.

O líder da diplomacia portuguesa considerou que a criação de um novo cardeal português representa “o reconhecimento de um país e das suas tradições”.

 

 

O cardeal-patriarca de Lisboa revelou ter a certeza “quase absoluta” de que Francisco vai visitar Portugal em 2017, depois de vários convites dirigidos pelo Governo, pela Conferência Episcopal e pela Diocese de Leiria-Fátima nesse sentido.

“É o centenário de Fátima e Fátima tem um lugar muito importante na vida de milhões e milhões de católicos no mundo inteiro. O Papa Paulo VI foi lá em 1967, depois o Papa João Paulo II, depois o Papa Bento XVI e o Papa Francisco também vai, por isso lá o esperamos”, disse aos jornalistas que acompanhavam a sessão de cumprimentos, horas depois do consistório em que D. Manuel Clemente foi criado cardeal.

D. Manuel Clemente mostrou-se certo que o Papa argentino vai aproveitar a possibilidade de falar a “milhões de pessoas” de todo o mundo, na Cova da Iria.

“Tenho quase a certeza absoluta. Certeza absoluta é quando o vir lá, é como em tudo na vida, mas tenho quase a certeza. Eu perguntei-lhe, mas a resposta que ele me deu foi ‘reza por mim a Nossa Senhora’, julgo que é uma confirmação”, adiantou.

A este respeito, o bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, disse também no Vaticano que espera uma visita do Papa à cidade nortenha, em 2017, ano em que se prevê que Francisco se desloque a Portugal, por ocasião do centenário das aparições de Fátima.

“Todos estamos convencidos de que o Papa irá a Portugal e eu estou imensamente desejoso de que ele vá ao Porto, na tradição, aliás, do que fizeram os Papas João Paulo II e Bento XVI, em 1982 e 2010, respetivamente”, declarou.

“Farei todo o possível e a Igreja do Porto receberá o Papa Francisco de coração aberto e braços estendidos para acolher a sua mensagem e para caminhar com ele, neste tempo novo da Igreja que estamos a viver”, acrescentou D. António Francisco dos Santos.

 

O prelado afirmou ainda que quis trazer ao Vaticano “a alegria” da Diocese do Porto, onde D. Manuel Clemente foi bispo entre 2007 e 2013.

CR/Lusa