Dia 22 de outubro bispo de Angra dá posse a todos os 17 ouvidores numa celebração na igreja Matriz de Ponta Delgada

A criação de duas ouvidorias na ilha Terceira e a nomeação de sete novos ouvidores para sete das 17 ouvidorias da diocese de Angra são as duas principais novidades do despacho de nomeação dos ouvidores que o bispo de Angra acaba de promulgar.

A ilha Terceira formava uma única ouvidoria e o seu responsável tinha uma equipa de cinco ouvidores adjuntos, tantos quantas as zonas territoriais em que a ilha estava divida e organizada do ponto de vista eclesiástico. Agora com esta nova organização, a ilha passa a ter duas ouvidorias- a de Angra e a da Praia da Vitória- coordenadas pelos ouvidores cónego Ricardo Henriques e Pe. Emanuel Valadão, respetivamente, agora nomeados pela primeira vez.

Entre os novos ouvidores nomeados estão também os padres Eurico Caetano, para as Flores; Rui Silva para Santa Maria; Hélio Soares para as Capelas (São Miguel); José Borges para Vila Franca (São Miguel) e Vitor Medeiros para a Ribeira Grande (São Miguel). De resto, foram reconduzidos os Padres Artur Cunha, para o Corvo; Marco Luciano Carvalho, para o Faial; Sérgio Mendonça para a Graciosa; Marco Martinho, para o Pico; Manuel  das Matas dos Santos para São Jorge; Carlos Simas , para Fenais da Vera Cruz; João Martins Furtado para a Lagoa; Agostinho Sousa Lima para o Nordeste; José Medeiros Constância para Ponta Delgada.

“Aos Ouvidores que terminam o seu mandato, quero em meu nome pessoal e em nome da Diocese, apresentar-lhes a nossa gratidão e reconhecimento pelo esforço e dedicação com que se empenharam nesta sua missão”, refere o bispo de Angra no despacho de nomeação.

“Aos novos Ouvidores, quero apresentar-lhes o meu reconhecimento pela sua generosidade e espírito de missão e exortá-los para um exercício da sua missão segundo a doutrina do Concilio Vaticano II que exige de toda a comunidade diocesana a promoção da comunhão eclesial, a corresponsabilidade de todos os cristãos na missão da Igreja e a edificação de comunidades cristãs centradas no essencial, que é a evangelização”, acrescenta D. João Lavrador.

De acordo com os Estatutos diocesanos das Ouvidorias, torna-se necessário, após auscultação do clero de cada Ouvidoria, nomear novos Ouvidores.

A ouvidoria é uma espécie de “governo intermédio” que tem por principal missão ajudar na coordenação e articulação das várias paróquias numa determinada zona geográfica.