O jornal O Dever, do Pico; a Santa Casa da Misericórdia das Lajes do Pico, a Casa de Saúde do Espirito Santo na Terceira  e o diácono permanente Luís Alves foram agraciados nesta segunda-feira do Espirito Santo

O diácono permanente nas Flores Luís Alves e três instituições da igreja foram agraciados esta manhã com as insígnias de reconhecimento e mérito cívico, respetivamente durante a celebração do Dia da Região organizado em conjunto pela Assembleia Legislativa e pelo Governo Regional dos Açores, no Pico.

O Jornal O Dever da paróquia das Lajes do Pico é uma das 38 entidades que irá ser agraciada esta segunda feira do Espirito Santo, dia da Região Autónoma dos Açores, com a Insignia Regional de Mérito Cívico.

O semanário, nascido em São Jorge pela mão do Padre Xavier Madruga é um dos dois jornais católicos do arquipélago, propriedade de uma paróquia e já centenário.

A primeira edição deste semanário católico saiu em 2 de junho de 1917.

Segundo o seu atual diretor, o Pe. João Bettencourt das Neves, o periódico conta com algumas dificuldades e a prioridade é conseguir interpelar as pessoas para a importância deste jornal, que não tem poupado esforços para angariar cada vez mais assinantes.

Durante os cem anos de existência, completados em 2017,  o jornal contou já com pelo menos 12 diretores tendo começado por ser publicado no Topo, em São Jorge e só depois passou para as Lajes do Pico.

“É para o povo o nosso pequeno semanário: a ele o destinamos particularmente, com a mira no interesse da verdade da doutrina e com os olhos postos na obra urgente da cristianização da família”, frisou o padre João Bettencourt das Neves recuperando o essencial do editorial do Pe. Xavier Madruga na primeira edição do semanário.

Na vocação deste jornal está a convicção de que é uma publicação de proximidade mas sem perder de vista a igreja e o mundo.

“O jornal não é confessional. Tem reportagem sobre as coisas locais sem perder de vista o mundo e o que se passa na igreja  e no mundo” refere.

Para o Pe. João Bettencourt das Neves os problemas do Dever são comuns à imprensa de inspiração cristã e a principal dificuldade é ter leitores e encontrar o justo equilíbrio entre o que é confessional e o que é generalista. Referindo-se à importância destes meios de comunicação o sacerdote recorda a importância e o valor que a igreja sempre deu à comunicação social, que deve ser sempre  “um instrumento de paz e não de ódios nem se desrespeito pelo outro”.

Para o sacerdote este reconhecimento por parte da região “é o reconhecimento da importância e do trabalho desenvolvido pelo jornal que através de noticias, ao longo de cinco mil edições, mostra o concelho, a ilha e a igreja”.

O Pe. João Bettencourt das Neves espera ainda que esta distinção seja a “garantia” de que os “apoios vão continuar de modo a que o jornal não encerre”

Além de O Dever a região irá distinguir a Casa de Saúde do Espírito Santo na ilha Terceira, que é dirigida pelas Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração. A instituição que trabalha na área da saúde mental acaba de celebrar 50 anos de presença nos Açores. A instituição apoia 160 mulheres com patologias mentais e é muito acarinhada pela população.

João Moniz, o seu diretor destaca o papel da instituição no tratamento da saúde mental nas ilhas dos grupos central e ocidental e garante “que este reconhecimento premeia todo o pessoal que trabalha na instituição”.

Será também distinguida a santa Casa da Misericórdia das Lajes do Pico, a mais velha instituição do concelho. Ana Jorge, atual provedora, sublinha a importância e a história desta instituição e espera que este reconhecimento seja um “estimulo para que a misericórdia continue a prestar as obras” que constituem a sua vocação.

“É também o reconhecimento do esforço e da dedicação de inúmeras pessoas que com muita resiliência têm sabido preservar a vocação desta casa”, adianta.

As cerimónias do Dia dos Açores decorrem no auditório da Madalena do Pico, esta segunda-feira de Pentecostes, vulgarmente conhecida como a segunda feira da pombinha. Na sessão solene estarão os três órgãos de governo próprio da Região: Assembleia, Governo e Representante da República.