Pastoral da Juventude recreou passagem do Papa por Ponta Delgada no dia em que se assinalam 23 anos.

Centenas de pessoas, maioritariamente jovens de todas as partes da ilha de São Miguel, recriaram este domingo a visita de João Paulo II a Ponta Delgada, transportando em procissão uma réplica da Cruz lançada ao mundo nas primeiras Jornadas Mundiais da Juventude pelo único Papa que visitou o arquipélago há 23 anos.

 

A iniciativa do Serviço Diocesano de Apoio à Pastoral da Juventude (SDAPJ) juntou jovens católicos, representantes de praticamente todos os movimentos ligados à igreja, com particular destaque para os escuteiros, na rotunda da Autonomia, em Ponta Delgada e, a partir dali, percorreram as ruas de Lisboa e Roberto Ivens até ao Campo de São Francisco, onde o Papa celebrou a palavra no dia 11 de maio de 1991.

 

Os jovens transportaram uma réplica da Cruz que João Paulo II enviou ao mundo nas primeiras Jornadas Mundiais da Juventude e que esteve nos Açores em 2010.

 

A réplica em madeira, pesa 31kg e foi feita por um artesão dos Arrifes e benzida pelo responsável pelo SDAPJ, Pe Norberto Brum, na vigília de oração que decorreu este sábado na Igreja do Colégio, também em Ponta Delgada.

 

Antes da celebração da Eucaristia solene no Forte de São Brás, num altar improvisado à semelhança do que aconteceu aquando da visita do Papa e que contou com a participação de vários sacerdotes, a cruz circulou pelo campo realizando uma via lucis (caminho da luz), que reflete todos os quadros da ressurreição de Jesus. Em cada uma das estações a cruz foi transportada por grupos de diferentes movimentos desde os Caminhantes dos Arrifes, Povoação, Shalom, Juventude Hospitaleira, Romeiros, Legião de Maria, Escoteiros Marítimos, CNE, Grupo de Jovens de São Roque e de Água de Pau, entre outros.

 

A celebração da Eucarista solene, junto ao Forte de São Brás, precisamente o local onde o Papa João Paulo II celebrou a palavra a 11 de maio de 1991 e rezou junto da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres, foi outro dos momentos altos deste evento.

 

O Bispo de Angra, que não esteve presente nesta jornada diocesana da juventude açoriana, por se encontrar a celebrar na Sé de Angra, onde ordenou dois diáconos, enviou uma mensagem que foi lida pelo Ouvidor de Ponta Delgada, Pe José Constância.

 

Na mensagem enviada aos jovens, D. António de Sousa Braga sublinha a importância de São João Paulo II na “afirmação determinante da fé e na fidelidade a Cristo”.

 

O Prelado diocesano fala “da centralidade cristológica vivida e experimentada” pelo Papa que encorajou os jovens  a “não terem medo” de “abrir—ou melhor escancarar as portas a Cristo” pois “”só ele poderá preencher essa fome de infinito que se abriga dentro dos seus corações”.

 

O Bispo de Angra lembrou também a “coragem “ do Santo Padre que “em tantas circunstâncias” soube  ser “claro e firme”, “levantando a voz contra a guerra, superando a doutrina tradicional da guerra justa” e afirmando a guerra “sempre como uma derrota da humanidade”.

 

D. António de Sousa Braga destacou, ainda, a atenção dada às questões sociais através das suas Encíclicas que “são um marco obrigatório para a presença da Igreja no mundo”. Para concluir que São João Paulo II foi “um grande pastor da Igreja Universal e um santo do nosso tempo”.

 

De resto, as palavras do Papa, durante a homilia que proferiu há 23 anos no Forte de São Brás, foram amplamente recordadas pelo responsável diocesano pela Pastoral da Juventude, Pe Norberto Brum, que presidiu à Eucaristia, cantada pelo Coral de São José.

Para Norberto Brum , além da evocação da visita pretende-se celebrar a canonização de João Paulo II, referido por várias vezes como “o nosso papa”, pelo sacerdote.

Durante esta festa diocesana da juventude houve ainda uma largada de balões e de pombas simbolizando a paz.