Programa de celebrações apresentado em conferência de imprensa

O Vaticano apresentou hoje o calendário de celebrações para o Jubileu da Misericórdia convocado pelo Papa (8 de dezembro de 2015-20 de novembro de 2016), com atenção às “periferias” existenciais.

O presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização referiu em conferência de imprensa que Francisco vai realizar gestos simbólicos de “proximidade e atenção aos pobres, aos que sofrem, aos marginalizados e a todos aqueles que precisam de um sinal de ternura”.

“Como sinal concreto da caridade do Papa, que permaneça como memória deste Jubileu, será realizado um gesto significativo indo ao encontro de uma realidade necessitada no mundo, para exprimir a Misericórdia numa ajuda concreta e realizável”, acrescentou D. Rino Fisichella.

Este responsável assinalou que o calendário das celebrações inclui momentos com “uma grande afluência de pessoas”, o primeiro dos quais, de 19 a 21 de janeiro, “dedicado a todos aqueles que trabalham na peregrinação”.

Já a 3 de abril, haverá uma celebração destinada a “todas as pessoas que se revêm na espiritualidade da misericórdia (movimentos, associações, institutos religiosos)”.

As pessoas do voluntariado caritativo, por sua vez, serão convocadas no dia 4 de setembro; a 9 de outubro, o calendário do jubileu vai celebrar “a Mãe da Misericórdia”.

A 24 de abril, o Vaticano convida os adolescentes que “após o Crisma são chamados a professar a fé”.

Um outro evento será destinado aos diáconos, a 29 de maio; no 160.º aniversário da Festa do Sagrado Coração de Jesus, a 3 de junho, celebrar-se-á o Jubileu dos Sacerdotes e a 12 de junho um “grande encontro dirigido a todos os doentes, às pessoas com deficiência e àqueles que com amor e dedicação cuidam deles”.

No dia 25 de setembro vai decorrer o Jubileu dos catequistas e a 6 de novembro assinala-se o dos presos, com a Santa Sé a estudar a possibilidade de alguns reclusos virem a celebrar com o Papa Francisco, na Praça de São Pedro, o Ano Santo.

O presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização disse que o Papa “deseja que este Jubileu seja vivido em Roma, bem como nas Igrejas locais”, pelo que pela primeira vez na história é oferecida a possibilidade de abrir uma Porta Santa – “Porta da Misericórdia” – nas dioceses.

“Este é, por seu lado, um Jubileu temático: assenta fortemente no conteúdo central da fé e pretende recordar à Igreja a sua missão prioritária de ser sinal e testemunho da misericórdia em todos os aspetos da sua vida pastoral”, assinalou D. Rino Fisichella.

Este responsável recordou ainda o apelo feito pelo Papa Francisco aos judeus e aos muçulmanos para encontrar no tema da misericórdia “o caminho do diálogo e da superação das dificuldades que são de domínio público”.

O site  oficial do Jubileu, www.iubilaeummisericordiae.va, está disponível em sete línguas: italiano, inglês, espanhol, português, francês, alemão e polaco.

Cr/Ecclesia