Conclusão é de um projeto coordenado pela União das Misericórdias Portuguesas

Um trabalho da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), sobre a questão “das demências”, permitiu concluir que “a maior parte dos idosos” atualmente integrados em lares e outras estruturas residenciais tem problemas “cognitivos”.

Em causa está o projeto “VIDAS – Valorização e Inovação em Demências”, que aquela organização promoveu durante um ano, envolvendo “23 instituições” e a avaliação de “1500 idosos”, cujas conclusões foram partilhadas com a Agência ECCLESIA.

Segundo o médio responsável por esta iniciativa, Manuel Caldas de Almeida, o aspeto mais importante deste trabalho é que permitiu passar de um cenário “de projeções para um efetivo conhecimento da realidade” que marca a população mais idosa.

No que diz respeito ao tratamento da demência, refere ainda aquele responsável, existe hoje “um problema de cobertura clínica e farmacológica” mas estão a ser feitos esforços no sentido de melhorar alguns aspetos.

Segundo Manuel Caldas de Almeida, atualmente já existem “condições para estabelecer critérios ambientais e também de neuro estimulação e animação” das pessoas que sofrem dessa doença.

Financiado pelo Programa Operacional Potencial Humano, o projeto “Vidas” envolveu as vertentes da investigação, formação e condições ambientais e arquitetónicas.

De acordo com a nota da UMP, “pela primeira vez vai ser possível determinar a incidência das demências com base numa investigação sólida, baseada em métodos científicos internacionalmente validados e de cariz nacional”.

“As baterias de testes aplicadas aos utentes envolveram cerca de uma centena de variáveis e brevemente serão publicados os resultados. Vai ser possível saber quantos idosos estão a sofrer de demências nos lares e em que grau está a doença”, pode ler-se ainda.

A UMP destaca o caráter “essencial” desta investigação, “já que neste momento não existem dados científicos sobre a matéria”.

Os estudos, que no futuro deverão ter “continuidade” e “envolver mais instituições”, detetaram ainda “um elevado número” de idosos “com fragilidade geriátrica”.

Durante 12 meses, a organização apostou também na formação específica para os agentes que trabalham no setor, nomeadamente “diretores técnicos e provedores, profissionais de saúde e ajudantes de lar”, tendo sido abrangidos “cerca de 500 colaboradores”.

O projeto “Vidas” está hoje em evidência num seminário em Fátima, no Centro João Paulo II.

CR/Ecclesia