Presidente do Banco Alimentar contra a Fome agradece o “gesto de partilha” dos portugueses e lembra que os pedidos de ajuda estão a aumentar

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 2.146 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, entre as quais as da ilha de São Miguel, Terceira e Faial.

“Foi uma campanha muito bem-sucedida. Uma vez mais os portugueses quiseram partilhar com quem têm mais carências: é um gesto com sentido redobrado nesta altura natalícia”, disse à Renascença a presidente do Banco Alimentar contra a Fome, acrescentando que praticamente recolheram o mesmo em dois dias, que no ano passado em três dias.

“Os Bancos Alimentares demonstram contentamento e gratidão pela confiança que os portugueses colocam nesta obra”, sublinha.

No último trimestre chegaram mais pedidos de ajuda ao Banco Alimentar. “Há mais famílias em situações de sobreendividamento e muitas pessoas deixaram de ter o subsídio de desemprego. Voltou-se a registar um acréscimo dos pedidos de apoio, de uma forma moderada”, reconhece Isabel Jonet.

Segundo esta responsável, só em Lisboa foram recolhidas 557 toneladas, “mais 30 toneladas por dia que no ano anterior”. No sábado, primeiro dia da campanha, a responsável indicou que tinham sido recolhidas 1.059 toneladas de alimentos.

Os bens recolhidos vão ser entregues, na próxima semana, a 2.600 instituições de solidariedade social, que os entregam a cerca de 400 mil pessoas com carências alimentares comprovadas.

O Banco Alimentar contra a Fome agradeceu ainda visita, no sábado, do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, às instalações do Banco Alimentar, em Lisboa, na companhia do homólogo de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

Rodeados de dezenas de voluntários, os dois chefes de Estado ajudaram, já de madrugada, a desensacar alimentos.

“É uma obra nacional, que está acima de tudo, governos, oposições, partidos, sensibilidades, setores sociais, mobiliza 40 mil voluntários, na maioria esmagadora jovens”, afirmou Rebelo de Sousa.

A campanha do Banco Alimentar contra a Fome contou com o apoio de mais de 40 mil voluntários.

Até 9 de dezembro, é possível contribuir através do site do Banco Alimentar ou em vales (“Ajuda Vale”) disponíveis nos estabelecimentos comerciais.

 

(Com Lusa e RR)