Sacerdote fala da simbologia da consoada e da Missa do Galo

O Pe. José Júlio Rocha desafia os cristãos açorianos a darem um sentido sagrado à noite de Natal participando na Missa do Galo.

Numa entrevista ao programa de rádio Igreja Açores, que vai para o ar no domingo, véspera de Natal, ao meio dia na Antena 1 Açores e no Rádio Clube de Angra, o sacerdote fala da importância desta Missa como uma espécie de “compasso” entre a consoada e a distribuição das ofertas.

“O Natal é uma das celebrações mais ricas” porque traduz “um simbolismo multicultural muito significativo” afirma o professor de Teologia Moral, no Seminário Episcopal de Angra.

“Os vários elementos do Natal correspondem a uma geografia da Cristandade”, foram absorvidos e hoje o presépio, a árvore, os alimentos da ceia de Natal, as luzes, “tudo isso traduz o contributo de várias culturas que foi sendo assimilado”, refere. Uma realidade que se estende também à consoada.

“A consoada traz consigo o valor da família e da partilha e é uma ceia que, apesar das suas origens pagãs, se cristianizou” adianta o Pe. José Júlio Rocha.

“À volta da mesa, do banquete, reúne-se a família e os amigos. É uma importante iconografia desta época” sublinha o sacerdote que, no entanto, considera que nem só de comida se faz o Natal destacando, para o efeito, a Missa do Galo como uma das celebrações mais importantes do Natal.

Na entrevista, em que fala da simbologia das principais celebrações da solenidade do Natal do Senhor, o sacerdote lembrou a história desta missa, cujo tempo remonta à idade Média, em concreto à cidade de Toledo, em Espanha, onde as pessoas frequentavam uma missa noturna para a qual levavam um animal que depois repartiam pelas famílias carenciadas.

“Este altruísmo tem de ter uma tradução concreta nos nossos dias” referiu na entrevista.

O programa de Rádio Igreja Açores vai para o ar no dia 24 de dezembro, pelas 12h00, no Rádio Clube de Angra e na Antena 1 Açores. Desta feita é inteiramente dedicado às tradições natalícias nos Açores.