Terceiro debate sobre documentos estruturais deste pontificado realiza-se a 13 de julho, na RTP Açores

O Instituto Católico de Cultura (ICC), numa parceria com o Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres e a RTP Açores, promove o terceiro e último debate de um ciclo que procura debater os documentos estruturais do pontificado de Francisco a partir do contexto de pandemia que o mundo atravessa.

No próximo dia 13 de julho, pela 19h00, será transmitido o debate sobre a encíclica Laudato Si. Moderado pelo diretor da agência Ecclesia, Paulo Rocha, o debate conta com as participações de Viriato Soromenho Marques, professor catedrático de Filosofia na Universidade de Lisboa; António Frias Martins, professor catedrático jubilado da Universidade dos Açores; Francisco Ferreira, da associação ambientalista Zero e Francisco Wallenstein investigador da Universidade dos Açores.

“A celebração do 6.º aniversário da Encíclica Laudato Si promoveu uma maior atenção ao grito dos pobres e ao clamor da terra e esteve na origem de diversas iniciativas de promoção de um estilo de vida mais sustentável e protetor do ambiente em diversos pontos do planeta” adianta ICC.

“Nos Açores, onde o Céu beija o mar, terra de vulcões onde a natureza é rainha, olhamos para a primeira grande encíclica verdade da história da Igreja em busca de uma Ecologia integra” avança ainda uma nota enviada ao Igreja Açores.

“Que mandato temos para administrar a natureza; como enfrentar os desafios do desenvolvimento sem por em cheque a casa comum; seremos capazes de construir uma humanidade mais sustentável e mais próxima; como será o século do ambiente; que legado deixamos às novas gerações…” são algumas pistas da reflexão.

Os Açores na vanguarda da Ecologia integral proposta pelo Papa Francisco é um debate para seguir na RTP Açores às 19h00, do dia 13 de julho.

O primeiro debate foi sobre a encíclica Fratelli Tutti, com José Manuel Pureza, Maria do Céu Patrão Neves e José Júlio Rocha; o segundo sobre a economia de Francisco reuniu João César das Neves, Gualter Furtado e Mário Fortuna.