O Papa Francisco vai celebrar Missa com um grupo de 100 pessoas, na Basílica de São Pedro, este domingo, para assinalar o IV Dia Mundial dos Pobres, celebração instituída no atual pontificado.

O Vaticano anunciou hoje, em conferência de imprensa, que a participação na celebração vai incluir “representantes dos pobres de todo o mundo, simbolicamente”, para recordar todos os que “precisam de atenção e solidariedade da comunidade cristã”, para além de voluntários e pessoas que apoiam projetos caritativos de associações católicas.

A pandemia limita este ano a celebração que contou, nas últimas três edições, com um almoço no auditório Paulo VI que reunia cerca de 1500 pobres em volta do Papa.

O presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), D. Rino Fisichella, disse aos jornalistas que se procuraram outros “sinais concretos” para ajudar os mais necessitados, como a oferta de testes à Covid-19 em instituições do Vaticano vocacionadas para o apoio a sem-abrigo ou população carenciada.

O Vaticano vai ainda distribuir 5 mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma que se encontram em dificuldade, por causa da pandemia; além dos bens alimentares, a oferta inclui máscaras e uma pagela com uma oração do Papa.

As iniciativas do Vaticano para esta data incluem ainda a distribuição de 350 mil máscaras a cerca de 15 mil estudantes da capital italiana, num gesto de apoio às famílias e de sensibilização para “os riscos da pandemia”, sobretudo no contacto com as pessoas mais velhas.

O arcebispo Fisichella adiantou ainda que já se encontrou com responsáveis do governo italiano e da região de Roma para iniciar a preparação do Jubileu ordinário de 2025, “um grande acontecimento mundial” para a Igreja Católica.

(Com Ecclesia)